terça-feira, 30 de junho de 2009

Novo Código Civil Brasileiro mexe com a estrutura das igrejas evangélicas

Prepare-se: sua igreja vai passar por várias mudanças. Depois de infindáveis discussões, avanços e retrocessos, o novo Código Civil brasileiro, que começa a vigorar - depois de uma espera que durou nada menos que 87 anos! -, vai promover uma série de alterações no funcionamento e ordenamento das chamadas pessoas jurídicas, entre as quais incluem-se as igrejas evangélicas. E essas mudanças têm prazo de um ano para serem efetuadas, sob pena de as denominações sofrerem diversas punições. Não se trata, apenas, de se promover meras adaptações estatutárias. A partir de agora, a administração e as finanças das congregações terão de ser muito mais responsáveis. Caso contrário, pastores e dirigentes poderão ter de pagar o prejuízo do próprio bolso e até serem afastados das funções eclesiásticas pelo poder público.
A democracia também será incentivada. Os membros das igrejas, mesmo aquelas que adotam governo centralizado, passam a ter mais voz, com o aumento de poder das assembléias de congregados. Por outro lado, punições - como a exclusão, por exemplo - não poderão mais ser aplicadas de forma arbitrária. Vai acabar, ao menos no papel, aquela história de um membro ser perseguido ou boicotado por não orar na cartilha do pastor. Além de um processo justo, equivalente ao que é feito no sistema legal do país, os acusados terão direito de recorrer. E o banimento de alguém do rol de membros só poderá ocorrer por justa causa, desde que conste, nos estatutos da comunidade, caracterização e punição estabelecidas para o delito cometido.
Tantas novidades têm causado polêmica e preocupado boa parte da liderança evangélica, além, é claro, dos crentes. Histórias de que igrejas serão fechadas, dízimos serão taxados, pastores acabarão presos e de que homossexuais terão que ser aceitos sem contestação nas comunidades cristãs podem ser ouvidas cada vez com mais freqüência após os cultos.
Preocupados com a indústria do boato e com a confusão, várias organizações têm promovido seminários, debates e conferências para "separar o joio do trigo" e esclarecer a liderança eclesiástica ou mesmo ajudar a adequar as igrejas.
No fim de novembro, foi realizado, no Rio, o Simpósio Nacional sobre o Novo Código Civil e as Igrejas. O grande número de presentes ? Cerca de 400 participantes de todo o país, incluindo pastores, advogados e contadores evangélicos. ? Deu bem a idéia do apelo que o tema tem suscitado. Este mês de Janeiro, é a vez da maior igreja evangélica brasileira, a Assembléia de Deus, promover evento do gênero, entre os dias 16 a 18, também no Rio.

"A César o que é de César"
Na prática, a principal mudança que a nova legislação traz é colocar igrejas e outras pessoas jurídicas no mesmo tipo de classificação de entidades como clubes de futebol, ONGs e entidades culturais e filantrópicas, sob um sistema jurídico único, tratando-as genericamente como "associações". Antes, as igrejas tinham uma categoria própria e eram vistas pela lei como "sociedades religiosas" - o que, efetivamente, significava que praticamente não sofriam nenhum tipo de controle.
"Atualmente, muitas igrejas e comunidades encontram-se na mais completa clandestinidade, havendo muito abuso e autoritarismo por parte das lideranças. Isso não pode mais acontecer. As mudanças são necessárias até para a melhoria da qualidade espiritual de nossas igrejas", afirma o pastor batista Carlos Bregantim, presidente da Associação Evangélica Brasileira, a AEVB, em São Paulo. Ele cita a célebre frase de Jesus para endossar a tese de que a Igreja de Cristo precisa, mesmo, andar na linha: "Devemos dar a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus", enfatiza.
Pode parecer burocracia demais, mas a adequação às leis civis é vista por diversos líderes como algo necessário para o crescimento saudável do Evangelho. "Não haverá tanta novidade assim. Na realidade, o Código apenas normatiza práticas que a jurisprudência já estava considerando há tempos e junta diversas leis debaixo de um mesmo guarda - chuva", explica o pastor e advogado David Tavares Duarte, presidente da Comissao Jurídica da Convenção Geral das Assembléias de Deus do Brasil (CGADB), órgao que cuida da reforma e adequação dos estatutos da denominação.
Uma comissão de juristas presidida por Duarte vem fazendo um trabalho analítico que já está em fase bastante adiantada. "As igrejas evangélicas precisam contar corn urgência com uma assessoria profissional nessa questão, pois o novo Código deve aumentar a fiscalização do Estado sobre elas", completa ele, que lançou recentemente o livro A Igreja e o novo Codigo Civil (CPAD), no qual orienta os ministros protestantes. Vale repetir que, a partir da entrada em vigor do novo instrumento legal, as igrejas, assim como toda a sociedade, terão prazo de um ano para se adequar as novas normas. Só a partir daí poderá haver punição por eventuais desvios.

Perda de benefícios

Uma das maiores preocupações do advogado é com relação ao caráter mercantilista que muitas denominações imprimem aos seus trabalhos a que pode acarretar severas penas. "Pela nova legislação, as igrejas são entidades sem fins econômicos e, portanto, não podem visar o lucro. Se for comprovada essa distorção de suas finalidades, elas podem perder as isenções tributárias", comenta. Pelo que anda se vendo por ai, é bom muitos dirigentes e donos de denominações botarem as barbas de molho.
Por este raciocínio, igrejas que costumam funcionar como verdadeiras empresas, dando remunerações adicionais a pastores pelo aumento de arrecadação ou constrangendo emocional e psicologicamente seus freqüentadores com pedidos de ofertas e contribuições, podem se complicar. Mesmo as tradicionais cantinas a livrarias que inúmeras igrejas mantêm nos templos, e em muitos casos, um jeitinho para driblar as tributações e encargos legais podem estar com os dias contados.
"Até agora, tolerou-se a exploração comercial paralela. Mas as igrejas chamaram a atenção dos gestores públicos. Hoje, há um esforço para separar as funções entendendo-se que esse tipo de atividade não é uma das funções que competem a uma igreja. Seria melhor que tais empreendimentos fossem explorados por terceiros ou microempresas que pagam normalmente os impostos", completa Duarte.
Mas não é apenas com o aspecto mercantilista que as igrejas terão que tomar cuidado daqui por diante. A nova lei traz, do artigo 53 até o 61, uma série de regras e observações que devem ser respeitadas. Daí para a ilegalidade e irregularidade perante os órgãos públicos é um passo. Ainda que a igreja não seja fechada, se determinadas transgressões ocorrerem, estará comprometida a validade de qualquer um de seus atos. Dessa forma, os administradores e pastores também precisarão ser muito mais responsáveis pelas suas ações.
"Se ficar caracterizado o desvio de finalidade ou a confusão do patrimônio da associação com bens particulares, o juiz pode responsabilizar os administradores por qualquer obrigação assumida pela comunidade", diz o juiz cível Santana, em São Paulo. De acordo com o magistrado, construção de grandes templos e valorização do trabalho ministerial são sempre importantes, mas é preciso tomar cuidado com os compromissos assumidos. Segundo Leonel, que é crente batista, as assembléias da igreja deverão aprovar e auditar as contas, porque danos, prejuízos e obrigações decorrentes de má gestão podem dar multa, afastamento e ate prissão para os responsáveis. "Os administradores poderão pagar o prejuízo do próprio bolso, ter seus bens confiscados, ser destituídos e mesmo ir para a cadeia", adverte.

Direito de defesa

Para evitar esse tipo de problema, o conselho é fazer a lição de casa: organizar e botar tudo no papel. As igrejas precisam ter uma contabilidade formal de toda sua movimentação financeira, assinar a carteira dos funcionários, não incluídos aí os pastores, que não podem ter vínculo empregatício e pagar tributos trabalhistas. Além disso, deverão elaborar e entregar anualmente a declaração de Imposto de Renda, manter atualizadas as atas e demais registros, inventariar e controlar seus bens móveis e imóveis, registrar a planta dos templos de acordo corn a legislação e, é claro, atualizar os estatutos. Vale dizer que a improvisação e o descaso, característicos em tantos círculos evangélicos, precisam ser evitados a todo custo.
Outro ponto que tem gerado muita controvérsia está no artigo 57 do novo Código, que trata das disciplinas e exclusão de membros. Em algumas denominações, comenta-se, que até os membros apóstatas não poderão mais ser excluidos. "Isso não é verdade. As igrejas continuam com as prerrogativas de punir ou excluir", esclarece o advogado a professor do Seminário Batista do Sul do Brasil Gilberto Garcia. No entanto, ele adverte que agora algumas condições deverão ser observadas antes de se punir o membro faltoso. A primeira é explicitar no estatuto ou em um regimento disciplinar as transgressões que podem levar a penalidade ou exclusão. Cláusulas genéricas como "pecado", "transgressões contra a palavra de Deus" ou "atitudes em desacordo com a Biblia Sagrada" devem ser evitadas e até, se possível, substituídas por termos técnicos jurídicos.
As penalidades a serem aplicadas também devem ser definidas com clareza, observando-se o princípio da proporcionalidade nas penas. Ou seja, falar mal de um irmão não pode ter o mesmo peso de algo mais sério, como traição conjugal ou furto. Se essas regras não forem observadas, o argumento da justa causa não poderá ser usado, o que faz com que um membro só possa ser banido da congregação se isso for decidido numa assembléia. Mesmo aquelas denominações centralizadas, onde o pastor decide tudo sozinho, precisarão estabelecer orgãos colegiados a fazer com que funcionem na prática, com atribuições definidas em estatuto.
O novo Código prevê também a possibilidade da pessoa que for punida recorrer, em qualquer caso, a uma assembléia geral para evitar a exclusão. "A lei consagra o princípio da ampla defesa. Acabou o tempo em que as normas eram ditadas por pastores e se administrava por decreto", avalia David Duarte, recomendando as igrejas não adotarem nem o termo "exclusão" e sim algo como "perda da condição de membro" ou "afastamento ou suspensão da comunhão da igreja". Por outro lado, após qualquer denúncia deverá ser aberto um processo disciplinar, inquirindo-se testemunhas, recolhendo-se documentos e provas e ouvindo-se o acusado, que, caso se sinta prejudicado por qualquer arbitrariedade, poderá até procurar a Justiça pedindo reparação pelos danos sofridos, inclusive indenização.

Sem discriminação

Para o pastor batista Gilton Vieira, diretor administrativo do Centro de Juventude e Cultura Cristã, entidade que promoveu o simpósio no Rio, o Código Civil em sua nova versão não afeta o conceito de pecado, mas combate a discriminação. "Pecado continua sendo pecado e poderá ser punido. Porém, não será tolerada nenhuma forma de perseguição ou de preconceito", enfatiza. O problema é: o que se pode entender como "discriminação" com leis e práticas tão liberais quanto as vigentes na sociedade moderna? Doutrinas de usos e costumes e atitudes como o combate ao homossexualismo podem ou não estar inclusos aí, dependendo da avaliação da autoridade judiciária.
Essa é justamente a preocupação do pastor e economista Melquisedeque Chagas, consultor eclesiástico da Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ) no Rio Grande do Sul. Após uma reforma administrativa realizada no ano passado e que regularizou a situação fiscal da denominação, Melquisedeque afirma que a IEQ agora está trabalhando na conscientização de seus ministros. "A preocupação não é apenas com relação à questão fiscal, mas também com possíveis atitudes de preconceito racial ou contra os homossexuais, que podem trazer conseqüências penais aos responsáveis legais pela igreja. Por isso, estamos orientando os pastores quanto a forma de proceder e evitar atitudes enérgicas e precipitadas", explica. Ele acredita que, com o novo Código Civil, as igrejas evangélicas devem ser mais prudentes. "Ou elas mudam seu jeito de agir ou fatalmente acabarão fechadas, pois haverá uma fiscalização enérgica".
Apesar de não acreditar em atitudes tão extremas, Gilberto Garcia adverte para o caso da França, onde foi adotada uma legislação tão dura contra as seitas, que acabou prejudicando até as igrejas evangélicas. "A legislação francesa criou tantas dificuldades legais que precisariam ser cumpridas, sob pena de pesadas multas, que o funcionamento de muitos grupos ficou quase inviabilizado", conta.
Já com relação a temas polêmicos como o comportamento homossexual, Gilberto acredita que a dificuldade não está no combate, mas na forma de combater. "Muitas vezes, um orador mais exaltado diz uma expressão infeliz em plenário ou o pastor usa o púlpito para fazer ataques que ofendem as pessoas. Isso é que pode ter conseqüências legais, a não o fato de a igreja não aceitar o homossexualismo", analisa, lembrando que nisso não hé nenhuma novidade, pois já a Constituição Federal, em seu artigo quinto, estabelece o princípio da proteção a intimidade, a privacidade e a imagem do indivíduo.
Na mesma linha vai o deputado e pastor batista Lincoln Portela (PSL-MG), que acompanhou a tramitação e aprovação do novo Código Civil no Congresso Nacional. "Ficamos atentos a emendas que levassem o Estado a interferir nas igrejas. O que era prejudicial foi cortado", frisa. Ele também ressalta que os evangélicos continuarão com plena liberdade para não aceitar valores e atitudes que considerem pecaminosas enquanto idéia e forma de agir. "Mas não poderão agredir ninguém, nem cometer qualquer outra forma de preconceito", diz. Como exemplo, ele cita um incidente ocorrido em um casamento realizado numa igreja em Minas Gerais que não permite que seus membros usem barba. "O pai da noiva, que nem crente era, usava bigode e o pastor queria proibí-lo de assistir o casamento. Ameaçou não realizar a cerimônia e até usou o púlpito para fazer ataques. Um absurdo intolerável perante a nova legislação".

"Jeitinho, não!"

Outra denominação atenta as mudanças que o novo Código deve trazer é a Igreja Internacional da Graça de Deus. "Estamos colocando no papel o que já vinha sendo executado na prática", informa seu advogado, Mauro Roberto Mancz. Ele explica que a Igreja da Graça é administrada por um Presbitério composto por 12 pastores, com mandato de cinco anos, indicados por seu presidente, o missionário R.R. Soares. A única alteração mais significativa no estatuto é quanto a composição das assembléias, que não é de freqüentadores da igreja, mas de pastores.
Na Graça, uma preocupação maior tem sido as questões que estão na lei e não são cumpridas. "Pela Constitução, os templos religiosos são isentos do pagamento de impostos. Mas muitas prefeituras criam dificuldades para conceder este direito. Outro problema é conseguir o alvará de funcionamento de um templo. Muita gente vê a igreja como uma atividade mercantil", compara. Apesar disso, Mancz levanta uma séria preocupação com relação ao novo Código Civil. "Acredito que as autoridades, ao aprovarem uma lei que não distingue igrejas de outros tipos de associações, tenham um interesse implícito, que a tributar, num futuro próximo, as igrejas", alerta.

Companheiros pastores

Quando a idéia surgiu, parecia coisa de maluco. Mas foi para a frente a ganhou as páginas da imprensa nacional, virando inclusive assunto de capa de ECLESIA, há três anos: o Sindicato dos Ministros de Cultos Religiosos Evangélicos e Trabalhadores Assemelhados, uma tentativa de o sindicalismo bater as portas da lgreja Evangélica. Fruto da iniciativa de um obscuro grupo de pastores, a entidade chegou a ser registrada no Ministério do Trabalho, em maio de 1999, mas enfrentou feroz oposição de onde, talvez, menos esperasse - a própria lgreja.
Entre as reivindicações dos companheiros pastores, estava o estabelecimento de piso salarial de, na epoca, R$ 500; registro em Carteira de Trabalho; a fundo de garantia, 13° salário e férias, além de outros benefícios. Só que a questão esbarrava num problema jurídico - a doutrina da Justiça do Trabalho classifica a relação entre pastores e igrejas como uma espécie de acordo desinteressado, visando o exercício da própria fé, e não como emprego. Tanto, que nem considera a remuneração que o ministro do Evangelho recebe como salário. 0 termo técnico usado pelos magistrados para se referir aos valores recebidos pelos ministros religiosos é "prebenda".
"Pastores, padres, rabinos ou assemelhados não exercem atividade profissional em sentido técnico; apenas uma vocação religiosa, pois tal atividade não tem finalidade de lucro ou de produzir bens, mas apenas a pregação religiosa e a difusão da fé", ensina o juiz Antonio Miguel Pereira, do Tribuna Regional do Trabalho da 15° Regiao, em Campinas (SP).
Claro que, na prática, a coisa nem sempre corre como deveria, e existem, de fato, pastores explorados por líderes de denominações. Mas o fato é que o Sindicato dos Pastores teve existência efêmera. Um mês depois de concedido o registro, o mesmo foi cassado pelo Ministério do Trabalho, e seus dirigentes voltaram para a obscuridade. Foi o fim de uma iniciativa que, se fosse bem sucedida, prometia causar o maior rebuliço nas igrejas.
Teorias de conspiração a parte, o advogado Cícero Gonçalves Duarte, assessor jurídico da AEVB, vê as novidades legais com bons olhos. "A lei não é conseqüência de uma mudança de governo, mas de mais de 20 anos de debates. O Código precisava ser atualizado e, tenho certeza, beneficiará as denominações sérias", prevê. Mas, para que isso se concretize, acredita que será preciso o esforço de pastores e dirigentes para não se deixar levar pelo comodismo e recorrer ao tradicional jeitinho brasileiro. "As lideranças precisam entender que os tempos mudaram. Não se trata de intervenção do Estado, mas de coibir abusos e gerar democracia", avalia, completando: "Estatutos, junto com os regimentos, formam a lei orgânica, que rege a existência de uma associação. Todo membro que entra para a comunhão deveria receber uma cópia, para não alegar desconhecimento de suas regras".
Autor do livro "Igreja na mira da lei", com lançamento pela Editora Bompastor, Cícero costuma prestar consultoria a igrejas e já foi contratado para elaborar estatutos para organizações religiosas. Ele aconselha as denommações a terem um estatuto e um regimento interno enxutos a precisos, que não dêem margem a muitas interpretações. "É preciso contar com auxílio especializado. Muita gente inclui nos estatutos seus pontos doutrinários que, para fins jurídicos, não tem muita relevância, e esquecem de coisas como a destinação do patrimônio da igreja em caso de dissolução." Ele lembra que, se o estatuto for omisso, os membros ou que outro tipo de classificação tenham os associados, serão convocados, conforme orienta o artigo 61 do novo Código, para escolher uma entidade idêntica ou outra de caráter público, mas com fins semelhantes, para a qual os bens da igreja serão destinados.

DE OLHO NO CÓDIGO

"Os pastores das igrejas ligadas às convenções da Assembléia de Deus tem sido orientados a adaptar seus estatutos ao novo Código Civil. Muitas já tinham feito reformas, de modo que agora só serão necessários pequenos ajustes. A liderança até estuda o envio de um modelo de esboço sugestivo, em nível nacional, que sirva de orientação. Notamos que tem havido muita preocupação entre o nosso povo com relação a este assunto." (Pastor Abiezer Apolinbrio, da Assembléia de Deus).
"Muitas questões tem sido colocadas sobre este novo Código, inclusive certa quantidade de boatos alarmistas. Nós, pastores, precisamos de informações corretas para adequar nossas igrejas as novas regras. Acredito que a maioria da liderança desconhece princípios básicos das legislações que regem o funcionamento das igrejas, o que a bastante arriscado." (Pastor Rogerio Sampaio, da Igreja do Nazareno).
"Creio que a lgreja brasileira ainda não está preparada para tantas mudanças. Infelizmente, os evangélicos se preocupam apenas com a parte espiritual de sua religião, sem atentar para o outro lado, que são as questões temporais e legais que envolvem as comunidades cristãs. Como pastor e advogado, tenho procurado despertar em minha igreja a necessidade de estarmos de acordo com as leis. Nosso estatuto, na verdade, já contempla a maioria das novas exigências." (Pastor Diogeno Ferreira Chagas, do Primeira igreja Batista do Itaim Paulista, em São Paulo).

Bom testemunho

Mas não apenas diretamente na Igreja que o novo Código Civil Brasileiro deve provocar alterações. Na sociedade muita coisa deve mudar. "A legislação anterior era de 1916 e estava totalmente desatualizada", diz o desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro Ademir Paulo Pimentel, diácono da Primeira Igreja Batista de Niterói (RJ). Entre o que será alterado, ele destaca a mudança da maioridade civil, que passa de 21 para 18 anos; a completa igualdade entre os cônjuges, onde o poder sobre os filhos será exercido de forma igual entre o homem e a mulher; isenção das despesas do casamento civil que continuará sendo realizado normalmente, ao contrário do que tem se pregado em algumas denominações para quem não tiver condições de pagar; e o reconhecimento da união estável como forma de casamento.
"Houve diversas modernizações. Pelo Código anterior, o homem poderia anular o casamento se descobrisse que sua esposa não era virgem, por exemplo. Coisa abolida atualmente", exemplifica. Pimentel reconhece que agora o poder público vai interferir mais nas igrejas o que, no seu entender, não é ruim, em tese. "Se tal interferência acontecer, será somente em caso de abuso de poder. E novamente isso não vem do Código Civil, mas da própria Constitução, que em seu artigo 12° garante os direitos das pessoas", completa.
Pode ser, mas pelo sim pelo não, muitos ministros evangélicos tem se resguardado e uns falam até em inconstitucionalidade, já que a Carta Magna diz que a liberdade de religião, crença, culto e consciência são invioláveis. "De fato, ao impor uma série de regras e obrigatoriedades, o novo Código Civil Brasileiro acaba interferindo na auto-regulamentação das igrejas", admite o juiz Caramuru Afonso Francisco, doutor em direito pela USP e presbítero da Assembléia de Deus. Porém, a dificuldade é que uma ação de inconstitucionalidade não pode ser movida por associações nem convenções. Precisa do apoio de partidos políticos no Congresso e ainda assim, tem poucas chances de dar resultado devido ao tempo que leva para ser apreciada.
"No final das contas, nenhuma lei secular vai garantir um padrão de ética para os crentes. Estes é que devem dar o exemplo", acredita, por sua vez, o juiz Abner Apolinário, da Assembléia de Deus de Recife, que completa: "Por exemplo, a mentira, exceto no caso de falso testemunho, não tem importância jurídica. Da mesma forma, as relações sexuais entre adultos desimpedidos de casar. Mas são contrárias à Biíblia, nossa regra de fé. Se seguirmos o que ela diz, estaremos cumprindo a lei e dando o necessário testemunho". E é bom que seja assim, já que a Bíblia exorta os filhos de Deus a agirem de modo que os outros, vendo suas boas obras, glorifiquem ao Senhor.
Fonte: Revista Eclésia nº 85 - www.eclesia.com.br

A Igreja e a Lei dos Homens


Devo obedecer cegamente a um líder ou instituição religiosa? Posso viver sem me importar com a lei dos homens? Vivemos pela graça e não mais pela lei, certo? Não há dúvidas quanto a isso, a Palavra de Deus é bem clara quanto a esse respeito. Diz inúmeras vezes que não vivemos mais pela lei. Mas a que lei isso se refere? Se “não vivemos mais pela lei” então podemos desobedecer às leis criadas pelos homens (governo)?
Destaco, para o conhecimento dos líderes religiosos, algumas questões jurídicas, as quais podem envolver nossas Igrejas, como instituição da sociedade civil, seja como “agente causadora”, ou “paciente atingida” de infrações criminais e cíveis:

-Posso levar 6 pessoas no meu carro pra levar um visitante ao culto?
-Posso comprar algo contrabandeando do Paraguai sonegando imposto?
-Posso trabalhar ganhando menos declarado na minha folha de pagamento pra “fugir dos impostos” sobre o meu salário?
-Estou ganhando seguro desemprego, posso trabalhar em meu novo emprego sem registro pra ganhar meu novo salário e mais o seguro?
-Posso constranger alguém violando sua vida privada, honra e imagem quando exponho fatos da sua vida particular que a mim foram confiados?
- Posso me prevalecer da função para influenciar e explorar pessoas com interpretações de sonhos (profetadas) levando as mesmas a mudarem os rumos da vida?

A Constituição Federal garante os direitos da personalidade, como intimidade, vida privada, honra e imagem, com isso garante a proteção a todos nós como cidadãos. As leis visam a proteção do homem e sua família. Não deveria ser assim com a igreja??

Constituição Federal - Artigo 5º: “São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;(...)".

Código Civil – Artigo 186: “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito".

Código Penal - Artigo 153: “Divulgar alguém, sem justa causa, conteúdo de documento particular ou de correspondência confidencial, de que é destinatário ou detentor, e cuja divulgação possa produzir dano a outrem!..”.


Código Penal - Artigo 154: “Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem."

Lei das Contravenções Penais - Artigo 27: "Explorar a credulidade pública mediante sortilégios, predição do futuro, explicação de sonho, ou práticas congêneres (...)".

A liderança da Igreja, especialmente seus diretores estatutários, presidente, vice, secretários, tesoureiros, conselho fiscal, conselho de ética etc, bispos, pastores e líderes em funções específicas, devem estar atentos para não incorrer na violação de divulgação de segredo. Deve o líder eclesiástico evitar a propagação de meias-verdades, que na realidade são inverdades inteiras, como orientar sua congregação a não fazê-lo, diante do risco de atingir a honra das pessoas, congregados ou não, à qual tem proteção Constitucional, e que a justiça prevê ser devidamente indenizado o dano moral causado a terceiros. De igual forma, também dá ensejo à indenização por dano moral quando se infringi a norma legal, a divulgação de segredo compartilhado em função da ocupação exercida, que é ao mesmo tempo direito e dever do ministro de confissão religiosa, qualquer seja sua expressão de fé, aplicando-se ao pastor, padre, rabino, etc, que também se atinge ao advogado e ao psicólogo.

Pense nisso: A lei não leva em consideração nossas "Verdades Espirituais" no tocante ao aspecto Jurídico, estamos submissos ao Estado.

Segue abaixo uma passagem bíblia que vai ajudá-los a esclarecer o que Deus pensa a respeito:

“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação. Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal. É necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa do temor da punição, mas também por dever de consciência. Por esse motivo, também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo, constantemente, a este serviço. Pagai a todos o que lhes é devido: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem respeito, respeito; a quem honra, honra.” Romanos 13:1-7

Deus criou o governo para estabelecer ordem, punir o mal e promover a justiça. Não obedecendo as leis estipuladas pelo governo estamos por fim desobedecendo a Deus, pois Ele é quem pôs o governo sobre nós. Quando Paulo escreveu o versículo acima que citei, ele estava abaixo do governo de Roma quando Nero o reinava, e ele talvez tenha sido o pior dos imperadores romanos. Mas mesmo assim Paulo reconhecia a autoridade do governo sobre sua vida. Então como podemos pensar em fazer menos?

“Bem aventurados os que observam o direito, que praticam a justiça em todos os tempos ”. Salmo 106:3

segunda-feira, 29 de junho de 2009

A igreja ao gosto do freguês


A cada dia surge uma nova denominação evangélica. Em geral, os fundadores de igrejas são pessoas que arrogam para si o status de profeta e portador de uma nova revelação, aluga uma garagem a fim de dissiminar suas heresias e ainda ganhar o sustento da familia.Nomes não faltam: “Igreja pentecostal Jesus é fogo”, “Puleiro dos Anjos”, “Jesus é bom e o diabo não presta” são alguns dos nomes das novas agremiações que têm surgido no cenário “gospel”, e o povo evangélico – tal qual um consumidor comum, anda vagueando de porta em porta em busca do evangelho mais barato. Aquela igreja que oferecer mais e exigir menos, é a que eles vão entrar.


Igreja Adventista da Sétima Reforma Divina
Sabe como é: obra de igreja demora, nunca fica bom... assim, lá vão sete (até agora)
Igreja Pentecostal Jesus Nasceu em Belém
Nuss... Sério??? rs
Igreja Evangélica Pentecostal Creio Eu na Bíblia
Ufa, ainda bem, né?
Igreja Pentecostal do Fogo Azul
Deve ser fogo de massarico...
Igreja Pentecostal do Pastor Sassá
Com sede no “Projac”Igreja E.T.Q.B (Eu Também Quero a Bênção)Claro, né?
Cruzada de Emoções
Emocionalismo é o que não falta nessas igrejas...
Igreja Dekanthalabassi
Não é piada não. Isso existe mesmo!
Igreja Chave do Éden
Quem quiser dar um rolê no paraíso, é só pedir a chave pro zelador da igreja
Comunidade do Coração Reciclado
Nada se perde, tudo se transforma
Igreja Evangélica Pentecostal a Última Embarcação Para Cristo
Se você congrega em outra igreja vai ter que ir nadando, rs
Igreja Automotiva do Fogo Sagrado
Seus membros mais ilustres: Shumacher, Montoya, e Nelson Piquet
Associação Evangélica Fiel Até Debaixo D’Água
Só aceitamos mergulhadores
Cruzada Evangélica do Pastor Waldevino Coelho, a Sumidade
A igreja do Papa crente
Igreja Caverna de Adulão
Só aceitamos bandidos, caloteiros e foragidos.
Igreja Evangélica Florzinha de Jesus
Que meigo!
Igreja Evangélica Adão é o Homem
E jesus é o cara! rs
Igreja Pentecostal Jesus Vem, Você Fica
Hummm...
Igreja Evangélica Pentecostal Cuspe de Cristo
Ah, não! Pode parar de avacalhação...
Igreja Pentecostal Planeta Cristo
Os membros não serão arrebatados e sim levados para a galáxia B-612
Igreja ‘A’ de Amor
B de baixinho, C de coração... D de docinho, E de escola, F de feijão!*** Com a pastora Xuxa Meneghel
Congregação Passo para o Futuro
Sede na NASA

“E, agora, que tenho eu aqui que fazer, diz o SENHOR, pois o meu povo foi tomado sem nenhuma razão? Os que dominam sobre ele dão uivos, diz o SENHOR; e o meu nome é blasfemado incessantemente todo o dia” – Isaías 52.5

Fonte: http://www.pulpitocristao.com

Série: Mundanisno na Igreja

Já foi a alguma igreja e a mesma parecia um imenso parque temático? O que temos visto são igrejas que mais parecem clubes com associados do que Luz para o mundo. A fórmula é um sucesso total! Grande contraste com o verdadeiro evangelho! Tudo muito bom. Galera animada, agito, muito "jump", louvor, gestos de euforia, muito som, neon, suor, Coisa de jovem! Mais parece uma baladinha básica de sábado à noite. Um circo Neo-Evangélico. Uma mensagem que não transforma ninguém, uma tristeza e uma vulgarização que faz comover qualquer crente nascido de novo. Muita sensualidade, requebrados e gestos indecentes, semelhantes aos executados por mulheres descrentes de conjuntos de "axé music" que expõem seus corpos em poses escandalosas e em trajes sensuais. O que se vê são tendências comerciais e empresariais na igreja. Uma empresa, para crescer, precisa ser competitiva, e até mesmo destruir a concorrência. Os outros são adversários a vencer. No modelo bíblico uma igreja, para crescer, precisa ser cooperativa. Isto é mais que contribuir para o plano cooperativo. Para eles, o único modo de alcançar os jovens é dar-lhes o que querem. Afinal, o objetivo é fazê-los entrar pelas portas da igreja e, depois disso, talvez alguma 'mágica' aconteça. Na idéia desses “estrategistas” pode ser que alguns jovens 'aceitem' a Jesus como Salvador. É verdade...talvez aceitem a Jesus como salvador mas não como Senhor de suas vidas. O objetivo primordial dessas igrejas é o crescimento numérico, é fazer com que os bancos sejam todos ocupados. Assim, essa 'variedade' moderna de pastores está iniciando cultos/concertos de músicas para atrair a juventude. Obviamente, a pregação da Bíblia não é mais considerada suficiente. Se o bom e fora de moda ensino bíblico expositivo não funciona mais, então vamos usar outras estratégias. Estão longe de Deus, não têm fé na Palavra de Deus e não têm discernimento algum. Utilizam-se do raciocínio: “vamos lhes dar o que desejam e, pelo menos assim, virão à igreja!”
Esses pastores são inúteis e serão julgados com severidade por Deus! Esses homens baseiam-se mais nas experiências do que na Bíblia. Como não são bereanos e não estão firmados na Palavra de Deus, estão totalmente abertos à enganação demoníaca. Para esses pastores, as “estratégias” para atrair os jovens têm maior peso que as Escrituras.

Série: Mundanisno na Igreja


Estão investindo na música gospel para atrair as pessoas. Há uma diversidade de ritmos estranhos, como funk, techno, psy, axé, "metal cristão"... e assim vai.
"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus?" (Tiago 4:4)
Ritmos estranhos são infiltrados na igreja. Abraçam a música "culturalmente relevante" regada com a coreografia de mulheres sensuais, dançando no background nos 'palcos', tudo no melhor estilo de casas noturnas. Algumas igrejas, antes eram refúgios de paz e silêncio, agora retiram seus bancos para fazer seu “louvor aeróbico”, com um “som” numa altura que interfere no batimento cardíaco. Não podemos tomar a forma deste mundo como igreja, devemos fugir do mundanismo que tenazmente nos assedia na igreja, isto inclui a música. A cultura do mundo está ligada ao maligno! É uma música contaminada com ritmos sensuais. É totalmente associada com mundanismo e carnalidade. O que não impede que uma cantora tenha criado o "Axé de Cristo."Segundo a Wikipédia, Àse em Yoruba ou Axé em Português - Energia, poder, força da natureza. Poder de realização através de força sobrenatural. No ritual original do Candomblé os animais sacrificados são limpos e preparados pois serão servido uma parte (Axé) para os Orixás e outra parte para todos os presentes na festa religiosa.A mocinha pode alegar que o axé dela se refere apenas ao ritmo musical, mas a desculpa não cola, afinal a origem da música axé é exatamente a mesma do axé religioso. Ela deveria se decidir de que lado quer ficar, mas seu terceiro "deus" - o dinheiro que ela arrecada com o sucesso das músicas - impedem que ela assuma qual é a sua verdadeira fé. Outra observação a ser feita está nas bandas de heavy metal sendo que muitas delas estão associadas a algum tipo de ritual de magia ou de bruxaria. Normalmente o metal instiga e desperta o desejo por violência e rebeldia nos jovens.

Série: Mundanisno na Igreja

O mundanismo está sendo sutilmente introduzido nas nossas igrejas e os crentes estão sendo convencidos da velha frase de autoria diabólica: “não tem nada demais”.
“E não vos conformei com este mundo, mas transformai-o pela renovação da vossa mente.” Romanos 12:2
Acompanham a moda exatamente como no mundo, seguindo as tendências atuais. Vestimenta na igreja? Qualquer uma: baby loock exibindo músculos, mulheres de calças apertadas e cintura baixa mostrando o “cofrinho”, saias curtas, blusinhas decotadas com seios a mostra, roupas transparentes, shorts e outras e coisinhas sensuais.
"Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus?" (Tiago 4:4)

Como é que alguém dizendo-se ministro do evangelho pode se ousar no direito de abrir sua boca para despejar suas idéias carnais de se basear nas coisas do mundo que está no maligno para inserí-las na igreja do Senhor Jesus Cristo?! Inventar maneiras anti-bíblicas de culto, extraídas de mentes carnais e não da Palavra de Deus. Pastores que na ânsia de agradar a homens e ver seus templos lotados acabam por se amoldar aos padrões desse mundo. Muitos desses pastores utilizam em suas pregações palavras que nem de longe expressam a mensagem da Palavra de Deus. Já ouvi uma garota dizer que saiu da igreja por ter se escandalizado com o pastor que do púlpito chamou o irmão de "cabeção". Tamanha foi munha surpresa ao ouvir um pastor conhecido no mundo gospel, adepto do G12 onde o mesmo se refere ao irmão como "pentelho". Onde vamos parar? A resposta é simples, leia a bíblia.

O Cordeiro e o Leão - Diante do Trono Copiou Bono Vox

Em 2005 durante o Show Vertigo em Chicago Bono do U2 imitou um leão no palco em nome da arte e da poesia e não em nome de Deus, a plateia ficou emocionada mas isto não foi enganosamente chamado de "unção" e o evangelho não foi exposto ao ridículo.



Atos Proféticos: mais um modismo!


Mais um modismo! Esses atos proféticos estão baseados na crença de que o cristão faz ou diz, tem repercussão no mundo espiritual. Alguns chegam a blasfemar ensinado que assim como Deus, pela sua palavra falada, trouxe todas a coisas a existência, da mesma maneira, nós como sua imagem, podemos trazer coisas a existência pelo poder da palavra falada. Esse ensino é uma blasfêmia idolátrica, que procura assemelhar o homem a Deus. Esses atos proféticos normalmente tem como objetivo, “conquistar” cidades ou nações para o Reino de Deus. A palavra de Deus nos ensina a ganhar almas para o Reino de Deus através da pregação do evangelho de Jesus Cristo, e não através de “declarações de posse” ou de “orações reivindicatórias.” Líderes de diversas comunidades e ao apostolado contemporâneo, estão planejando uma série de “atos proféticos” para a redenção do Brasil. O primeiro desses atos foi feito na Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte e o ultimo está marcado para ser em Porto Alegre. Sinomar Ferreira falando sobre esses atos proféticos declarou: “Os atos proféticos são extremamente importantes, por que aquilo que é feito aqui na terra tem repercussão no céu”. Isso mostra o caráter herético de tais atos, pois insinua que podemos manipular o mundo espiritual. Crença parecida com as dos Bruxos da Nova Era que acreditam poder manipular as forças da natureza através de palavras mágicas e encantamentos. [Vide o livro "A Sedução do Cristianismo" de Dave Hunt]
Que Pastores, lideres e membros de Igrejas, estejam vigilantes, para que ventos de doutrinas não invadam suas comunidades eclesiais, causando divisão e confusão em seu meio.


Fica aqui um alerta: Antes de convidar alguém para pregar em suas igrejas, acampamentos, retiros etc. procure informações sobre a linha doutrinária seguida por essa pessoa, para evitar futuros problemas.

Entrando pela porta estreita


“Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão." Lucas 13:24


Muitas pessoas têm tentado adaptar o Evangelho às suas vidas, quando Cristo nos ensina que somos nós quem temos que nos adaptar ao Evangelho através de uma vida de dedicação a Ele. Esforçar-se significa: renunciar ao pecado, resistir ao diabo, separar-se do mundo. A Palavra de Deus é bastante clara no que diz respeito a esforço: Este versículo nos mostra aspectos muito importantes no que diz respeito a Salvação. Para alcançar a Salvação, é necessário esforço! É necessário abandonar o pecado, deixar morrer a natureza terrena.
Infelizmente, não é assim que temos visto muitos líderes ensinarem. Para muitos, a Graça de Deus nega que haja uma parcela de esforço individual para a Salvação, e através de uma hermenêutica vulgar, dizem que o que importa é crer em Jesus e ir a Igreja. Para estes, Deus aceita qualquer coisa, inclusive cultos sem santidade, com mãos “cheias de sangue” (Isaías 1:15). As conseqüências geradas por este tipo de “evangelho” já podem ser observadas: a mídia tem apresentado gente que se apresenta como evangélica, mas apóia o aborto, e posa nu, e mesmo sem sequer saber o que significa “nascer de novo”, professam ter certeza da Salvação. A Bíblia nos fala de uma porta estreita, na qual toda pessoa que por ela passa é salvo. Agora entendemos o porquê do esforço. É necessário deixar do lado de fora toda a “bagagem” que adquirimos neste mundo para passar por ela. Essa “bagagem” inclui o pecado, a soberba, a posição social, e tudo aquilo que o homem tanto gosta de se apegar. Por essa porta não passará o impuro (Apocalipse 21:27). É necessário que o homem se lave com o sangue do cordeiro.
Essa porta é estreita por uma boa razão. É estreita demais para aqueles que amam o pecado e não querem afastar-se dele. É estreita demais para aqueles que amam os prazeres pecaminosos do mundo ou que não desejam incomodar-se com a salvação de suas almas. É estreita demais para aqueles que possuem justiça própria e pensam que merecem ser salvos por causa de sua própria bondade.
O “evangelho” das facilidades não prega uma porta estreita. Prega uma porta larga, cheia de facilidades. Basta “aceitar a Jesus” e você verá bênçãos abundantes sobre a tua vida. É um “evangelho” voltado unicamente para a satisfação pessoal das pessoas. A pregação gira em torno da questão: “O que Deus pode fazer por você?” É o “evangelho” dos direitos sem deveres.
“...muitos procurarão entrar por ela e não poderão”: Muita gente só compreenderá a verdade quando já for tarde demais. Cristo nos mostra que os dias se abreviarão e nos convida hoje a deixar os falsos evangelhos e seguir ao Verdadeiro. Antes que seja tarde demais...

Sua vida é...

Abençoada quando dorme e acorda em paz, mesmo com poucos recursos (Sl 4:8)
Coerente quando você vive o que prega, mesmo quando os outros zombam de você(Tg 1:22-24).
Espiritual quando você prioriza a vontade de Deus (Mt 6:33)
Maravilhosa quando você consegue orar o máximo possível (I Ts 5:17)
Medíocre quando você duvida, vive de um lado para o outro na vida (Tg 1:6-7)
Miserável quando você é um pecador sem salvação, mesmo que não se enxergue assim (Ap 3:14)
Pura quando você se desvia do mal, procurando viver com retidão (Jó 1:20)
Proveitosa quando você vive cada momento como se fosse único (Sl 90:12)
Santa quando você procura parecer com Jesus (I Pe 2:21)

Brasil Campeão ao Som do Ministério Avivah‏


Prezados Irmãos

No mês passado quando estive na África do Sul tive o prazer de levar vários CDs e Dvds do Ministério Avivah e abençoar a vida de varias pessoas por lá.

Porém quando eu estava arrumando minha mala para voltar percebi que sobrou um DVD e logo comentei com meu colega vou deixar este DVD em minha bagagem de mão pois DEUS deve ter um propósito neste DVD. E assim coloquei ele em minha mochila de mão.

Como é de conhecimento de todos tenho uma ligação forte com o Futebol devido a coordenação do Projeto Impacto Vivo que tem 6 equipes de Futebol . A muito tempo venho tentando entregar um CD para o Lúcio Zagueiro da seleção Brasileira e para o KAKA acho que o material seria benção nas mãos deles. Como o contato com eles esta difícil pensei em entregar para o Silas e fazer chegar até eles, mas também não deu certo. Pesquisando o site dos atletas de Cristo percebi que o Jorginho Coordenador Técnico da Seleção Brasileira faz parte deste Ministério e então pensei em entregar para ele um dia, para ele abençoar a Galera da Seleção com o DVD do Avivah. Fiquei direto nos sites vendo endereços e local para mandar o CD e DVD e não encontrei o que seria mais eficiente. Não deu certo também.

Mas como DEUS é DEUS e quando os projetos são dele ele move montanhas, observem o que DEUS fez.

As 8 horas da manha ao entrar no Avião em Jonesburgo – Africa do Sul com quem eu dou de frente sentado na primeira poltrona do Avião ? O Jorginho Coordenador técnico da Seleção Brasileira, imediatamente eu o cumprimentei como se fossemos amigos de anos, e falei a ele: Irmão a tempo queria falar contigo só um momento que tenho algo para te entregar, busquei um CD e DVD do Ministério Avivah e entreguei para ele e expliquei sobre o nosso Ministério bem como pedi para ele fazer uma copia e entregar ao Kaka, Lucio e demais Cristãos da Seleção Brasileira. Ele agradeceu e falou o seguinte: Nossa muito obrigado já vou escutando já, pois temos 9 horas de viagem até o Brasil, abriu o DVD e já colocou no DVD Player e colocou os fones no ouvido.
Quando chegamos em São Paulo ele me esperou e disse que benção meu irmão Parabéns Deus fala através do Ministério de vcs, a rapaziada vai gostar do louvor. Gloria a DEUS !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Segue na foto em anexo o Coordenador da Seleção Brasileira em JonesBurgo na Africa com DVD do Ministério Avivah na mão.

Sim Deus é FIEL e a ele toda honra e toda Gloria . Pessoal o Chamado é Mundial !!!!! Bora !!!!!!!!

Se acharem edificante esta mensagem, compartilhem com outros irmãos onde anda nosso Louvor. Você faz parte deste projeto. Parabéns !!!

Deus abençoe;

Rossano Nogueira

Quadrilhas religiosas


Mãos ao alto! Não quero ver ninguém calado. Olhinhos fechados, carinha de choro, Bíblia numa mão, carteira na outra. Isso é um culto, meu irmão! Pegue a notinha mais alta que você tiver e ponha dentro da sacolinha. Depois vire-se sutilmente para o individuo ao seu lado e diga a ele que há um pote de ouro no fim do arco-íris. Que ele será mais forte que o Super-homem. Mais rico que o rei Salomão e mais poderoso que o Barak Obama!
Agora bem alto que é para o inimigo ouvir. Repita comigo: compre batom. – perdão! Diga! Eu sou mais que vencedor! Eu sou muito mais que vencedor. deus vai me colocar por cabeça e não por cauda. Isso é meu, a casa do vizinho é minha; o carro o emprego também. Tô pagaando! - Mais alto, que é para o Satanás ouvi e cair da cama . Eu sou filho do rei. Tudo é meu!- ai, ai, ai, que saudades do Tim Tones!
E olha aê; olha aê! Têm sabonete ungido, pra mamãe e pro papai. Rosa mais milagreira que Santo Antônio amarado de cabeça para baixo. Quem vai querer? Olha aê, olha aê. Vai passado a sacolinha de novo, olha aê! Tem oração forte que só leite de jumenta, baratinha na promoção. Pague uma e leve duas. Desamarra até nó cego. "Y la garantia soy Yô"! Olha aé, olha aê! Também tem óleo mais cheiroso que filho de barbeiro, capaz de fritar até pecado oculto. Vamos colocando o real na sacolinha. Que é para comprar um terreninho, nossa Canaã meu irmão. Ajudar na construção do templo. Pagar a rádio no fim do mês. – tem fé não é? Lembre-se que você está nos ajudando a dominar o mundo.
Não se mexa meu irmão! Porque ainda tem mais, vem aí um pregador mais poderoso que reza de benzedeira, que promete prodígios e maravilhas de deixar Hercules no chinelo. Há quem diga que ele cura mais que pomada de banha de cobra. Cura dores ciáticas, dores reumáticas, males de pele, nevrites ou artroses, equizemas secos ou úmidos, feridas difíceis de sarar, caroços e se lhe passar a mão sara mais do que gelol.
E antes de sair não se esqueça de dar uma passadinha em nossa loja, logo aí na entrada. Tem CDs; DVDs, de entrevista com o demo. Feijões mágicos, pipoca, algodão doce e muito mais. – O que?Acabou o seu dinheiro? Pare de sofrer! Aceitamos cheques pré-datados, cartões de créditos e ainda dividimos sua oferta em dez vezes sem juros! Agora vá embora devagarzinho, não olhe para trás. E volte sempre!

Fonte: http://www.devoltaprajesus.com.br/2009/06/quadrilhas-religiosas.html

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Nova mansão de Edir Macedo é avaliada em 6 Milhões

Edir Macedo construiu uma casa com 2.000 metros quadrados em Campos do Jordão, a revista VEJA visitou a casa e conseguiu algumas fotos. A casa conta com 35 cômodos distribuidos em 4 andares. 18 Suítes com banheira de hidromassagem, um jardim réplica do Monte das Oliveiras de Jerusalém, adega, sala de cinema, quadra de squash e elevador panorâmico. Foi trazido da Itália 600 m2 de mármore botticino com um custo de R$240.000. Ainda há dois pequenos viadutos de 200 metros para acesso à rua. O bispo ainda tem outra casa em Campos do Jordão de 4.000 m2, com 15 cômodos e 6 suítes, academia de ginástica e heliporto, foi adquirida em 1996 por mais de R$1 milhão.























Produção de Líderes em Massa

Alguma vez você recebeu um convite para ingressar numa igreja com a proposta de tornar-se um grande líder?? Ou quem sabe foi motivado a ter o “dom” (arte) da persuasão, da influência? No mundo secular nunca se tornou tão discutido o assunto sobre liderança. Empresas realizam cursos de reciclagens com o quadro de funcionários para que os mesmos possam aprender a dominar técnicas e estratégias de vendas, de produtividade, de crescimento de um determinado ramo, tudo para ampliar os horizontes e expamdir os negócios. Com base nessa estratégia algumas igrejas na ânsia de verem seus templos lotados adquiriram a estratégia de formatar líderes em massa. É o caso de igrejas que adotaram a visão celular, onde para tornar-se líder basta tão somente passar 3 (tres) dias no “encontro” e após ingressar na escola foramatadora das lições celulares. Completado o primeiro módulo de estudo estará apto a liderar um grupo. Enquanto Jesus levou tres anos para capacitar seus discípulos ao trabalho no Reino de Deus, esses empreendedores acreditam que é possível “ganhar uma geração”, “tomar uma cidade” em pouco menos de tres meses.
Para a psicóloga Janaína Moura, uma das causas para tanta frustração no trabalho dentro da igreja é o fato de que, atualmente, tem-se desencadeado uma produção em massa de obreiros e líderes, preparados em tempo acelerado. Alguns pecados advém dessa visão, porque essa é uma visão de mercado. Estão sendo produzidos profissionais de púlpito", afirma, enfatizando que o pastorado precisa ser visto como um chamado de Deus.

LÍDERES DESPREPARADOS


Analisando biblicamente a história de Davi, Timóteo e José constatamos que apesar de terem sido usados como exemplos de jovens chamados ao ministério, ordenar ou empossar homens e mulheres em posições de liderança requer discipulado e orientação. E como já foi postado aqui em outros tópicos, o discipulado cristão tem sido banalizado e negligenciado. O que temos visto não é a falta de empenho ou assiduidade, mas imaturidade e inconstância, características da falta de entedimento do chamado.
O isolamento vivido por muitos líderes é mais um fator que gera decepção. Janaína enfatiza que a maioria deles tem dificuldades para confiar nos outros por causa das práticas de competição do mercado secular, infelizmente disseminadas dentro da igreja.
A psicóloga diz que a visão competitiva de mercado entrou na igreja produzindo profissionais de púlpito e gerando frustrações quando os resultados não aparecem.


REANIMADOS NO SENHOR


Para todos esses desafios e ajustes, o pastor Ivan Mendes aconselha a voltar firmemente o foco para Jesus. "Somente permanecemos motivados à medida que olhamos para quem estamos realmente fazendo tudo o que fazemos. Queremos plantar, regar e colher. Mas nem sempre participaremos de todo o ciclo. Precisamos entender melhor que somos cooperadores, comissionados, estamos juntos, e que a missão é de Cristo, realizada pela ação do Espírito Santo", avalia. Na sua opinião, ao crer no poder da semente e não do semeador, o líder consegue fazer seu papel de maneira mais leve e alegre.
A orientação de Janaína Moura é sempre lembrar de que há também outros fiéis seguindo o chamado de Deus para ministérios variados. "Mas, se de fato, as conseqüências das decepções foram tão intensas, que alterem o bem-estar, o humor e o comportamento do líder, ele poderá ser ajudado por terapeutas", ressalta.
Fonte: http://www.revistaenfoque.com.br

Unção das pulseiras no "óleo ungido com ouro derretido", a que ponto chegaram...

O Encontro é Tremendo... o Reencontro é Sobrenatural... O Mover Celular é Extravagante... e o RLR é... é... é...[...] As palavras que foram ministradas no evento, como sempre, trouxeram sabedoria e unção sobre nossas vidas, mas o que marcou mesmo foi a realização de 3 atos Proféticos extravagantes[...]

3° Ato Profético: Unção das Pulseiras de "Compromisso" e "Reaji Brasil" no Óleo ungido misturado com Ouro derretido: nossas pulseiras de "Compromisso" e "Reaji Brasil"[...] foram mergulhadas em uma enorme taça com óleo de unção misturado com ouro derretido, representando Presença do Espírito Santo e Prosperidade... outro momento extravagante do RLR.

Muitos outros momentos marcaram este RLR, mas momentos íntimos meus com Deus, que não devem ser revelados agora... se você quer viver também este sobrenatural, venha para o RLR... ano que vem tem mais!

Fonte: [ http://fabioagente.spaces.live.com/blog/cns%2134D7A5D567486042%21400.entry ]

A sigla RLR significa Retiro do Líder Radical uma “estratégia” do MIR, Ministério Internacional da Restauração, fundado pelo “apóstolo” Renê Terra Nova, para obtenção de líderes juvenis, desde 2004.

Momentos extravagantes de um reencontro com Deus "tremendo" da visão celular. E agora me responda: pra que essa bacia de óleo ungido com ouro derretido? De onde saiu essa "baciada"? Pra quê isso? Onde está a fundamentação disso na bíblia? Mostre-me o versículo que possa apoiar essa heresia.
Não aceite tudo o que te dizem como verdade inquestionável, antes examine à luz da Palavra de Deus. Caso contrário você estará desagradando a Deus e agradando a homens. Quanto vale o sacrifício que Jesus pagou por você naquela cruz?? Ele morreu para que eu e você fôssemos libertos do opressor. Pense nisso! Mude de idéia hoje mesmo, peça perdão a Deus e reconcilie-se, Ele vai te aceitar!

Adquira já seu milagre por apenas R$ 7,00, pode??

O texto abaixo foi retirado do site do Pastor Marco Feliciano. Inacreditável, quem desejar pode clicar no link ao final da postagem. Perceba quanta aberração, quanto engano. O povo sofre por desconhecer a Palavra de Deus e assim torna-se presa fácil desses doutrinadores. Confira:

“Eu convoco os que ainda ACREDITAM em profetas, à entrarem comigo numa campanha. Mas esta é apenas para aquele que CRÊ, pois quem crê da um jeito e quem não crê sempre dará uma desculpa. Orei ao Senhor e ELE me deu a seguinte instrução:

Os que precisam do milagre seguirão estes 4 passos, estas 4 instruções:
1) Te “ouvirão” e entrarão contigo em uma campanha de fé!;
2) Sacrificarão um valor simbólico de R$ 7,00 (sete reais), lembrando que não é o valor que provoca o milagre e sim A OBEDIENCIA NA PALAVRA PROFÉTICA!, esse valor será enviado através de depósito ou boleto bancário ou transferência eletrônica, para uma das contas expostas no final desta carta;
3) Após efetuar este depósito, enviarão um email para você: (campanha@marcofeliciano.com.br), contendo a data e o horário do depósito, junto com PEDIDO DE ORAÇÃO;
4) No mesmo dia do depósito as 23:53h (7 minutos para a meia noite), onde estiver o sacrificante, ele ou ela, dobrarão os joelhos e por 7 minutos, orarão ao Senhor. Neste mesmo dia, nesta mesma hora, você e um grupo de intercessão, de homens e mulheres que ACREDITAM EM MILAGRE, estarão com você em oração!

Fonte: http://www.marcofeliciano.com.br/site2007/Campanha7DiasDeOracao.asp

Evangelho Fast Food

Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) da cidade de Houston, no Texas (Estados Unidos), iniciou um projeto inovador: o “Prayer Drive-Thru” (oração dentro do carro). Com ele, as pessoas podem pedir orações e conversar brevemente com os pastores sobre os problemas, no interior do automóvel. O objetivo é atrair quem não costuma freqüentar a igreja. “Como aqui em Houston pouco se vê pessoas nas ruas, só carros, então tivemos essa idéia”, explica o Bispo Renato Cardoso, responsável pelo trabalho evangelístico da IURD no Texas.
O método, iniciado há 2 meses, virou notícia na imprensa local pela inovação e boa aceitação por parte dos participantes. O “Prayer Drive-Thru” acontece aos sábados. Três pastores participam da evangelização. Os pedidos mais freqüentes são orações pela família e saúde. Nesse tipo de evangelização, os veículos entram no estacionamento da igreja e são encaminhados para a fila formada pelos carros de quem quer receber a oração. “Na primeira parada, os ocupantes do automóvel recebem um formulário e um kit de apresentação da igreja com informações sobre as reuniões. No formulário, eles descrevem os problemas e qual a oração que estão pedindo. Na parada seguinte, em frente à igreja, o pastor que recebe o formulário faz as orações, dá um aconselhamento rápido e convida os ocupantes do carro a participar de uma reunião na igreja”, conta.
Segundo o bispo, muitos dos que recebem essas orações voltam e dão testemunhos de vitórias obtidas. Algumas já estão participando das reuniões da Igreja que acontecem todos os dias em vários horários. A catedral do Texas fica no 5150 N Shepherd Dr, Houston, Texas.
Fonte: IURD [Via Notícias Cristãs]

Igrejas adquirem forma e metodologia de Empresa

Igrejas parecem mercado econômico. Tem as mesmas regras das relações comerciais, só que aplicadas à agregação de outros valores. É uma competição por números que parece não ter limites. A busca pelo sucesso tem como resultado inveja, ciúme e cobiça... Nunca ser evangélico esteve tão em alta.
Igrejas funcionando em galpões adaptados e até salas de hotéis, tudo com o propósito de edificar a grande empreitada. Pastores viram mestres de obras, líderes viram pedreiros, todos trabalhando. Não nada tenho contra coisas novas. O que não me atrai é ter de abandonar coisas boas e eternas em razão das novidades. Muitos estão se fazendo de cegos e surdos enquanto a casa cai. Mais que nunca, creio que é preciso reformar a igreja.
Muitos terminam por transformar a igreja em empresa, devido a ganância por dinheiro, chegam a emitir carnê para aqueles que desejam contribuir mensalmente com a promessa de que você será abençoado em dobro. Pregam-se correntes, que acorrentam o povo, ao invés de libertar. É comum testemunhos, nos cultos destes pregadores, de pessoas que se deram bem, depois de uma vida penosa no trabalho, por aceitarem o desafio de entregar o salário integral num mês, ou darem o dinheiro da poupança, ou ainda ofertarem todo o dinheiro que tiverem na carteira, mesmo que este seja para pagamento das contas do mês. Uma das maiores heresias está relacionadas a dar para receber, sendo incentivado a darem o dízimo no valor de um salário que desejariam receber. Deveriam pregar mais a palavra da verdade que vem sendo deixada de lado pois o evangelho é o poder de Deus para salvação das almas.
A Igreja tem cara de empresa, empregando as mesmas regras utilizadas em estratégias de marketing empresarial estipulando as famosas metas e premiando aqueles que superarem as mesmas. Gastam tempo treinando seus adeptos com o único objetivo de aumentar o número de membros. Nessa busca usam forte apelo emocional para convencer, assim como um vendedor para empurrar um produto. Com tanta eficiência e com tanto poder de influência convencem a pessoa a aceitar Jesus mas o que isso retrata é que estão se formando um grande número de convencidos ao invés de convertidos. O convencido é apenas mais um freqüentador de igreja. Basta olhar para a direita ou para a esquerda e perceber sempre as mesmas pessoas conversando durante a pregação ou que se levantam com facilidade para tomar água ou irem ao banheiro, quando na verdade estão apenas passando o tempo. Realmente a “porta larga” seduz muito mais que “a estreita”. Mas é exatamente na largura de muitas portas que vários jovens se perdem e caem no mundo, algumas vezes, sem volta. É lamentável que muitas pessoas considerem a igreja somente um programa a mais para preencher as suas noites. Não se enganem! A mensagem do evangelho é desafiadora e transformadora e, é a única mensagem que chama as pessoas ao arrependimento. Arrependimento não é remorso, é mudança de atitude. O evangelho de Cristo é demonstrado a este mundo através daquilo que Cristo produz em nossas vidas. Deus não é cirurgião plástico, ele não faz retoques em nossa vida. Ele faz tudo novo.
Veja no que estão transformando a Igreja do Senhor Jesus, basta observar a quantidade de tempo gasto divulgando as programações das igrejas, ou a eficácia da oração, mostrando que aquela igreja é melhor e que a sua mensagem é a mais forte para resolver todos os problemas das pessoas. Aborda-se o Evangelho como um produto eficaz e adota-se uma mentalidade empresarial no seu anúncio. Prometem-se enormes possibilidades. Tratam as pessoas como clientes e sem constrangimento, anuncia-se que qualquer um pode adquirir esse determinado benefício com um esforço mínimo. As igrejas se transformam em balcões de serviços religiosos ou supermercados da fé. A tendência de oferecer cultos diferenciados e as intermináveis campanhas de milagres demonstram bem esse espírito. Confunde-se um bem material com uma pessoa e enxerga-se na mensagem um produto. Quase tudo é vendido, quase tudo tem fins lucrativos. Há um grande investimento em vendas de produtos tais como cds, livros, adesivos, óleos, roupas, etc.. Em algumas igrejas 80% do material da livraria diz respeito a autoria dos próprios líderes, sendo pouco o incentivo a outras literaturas. A leitura incentivada na maioria das vezes refere-se a metodologia ou “visão” da igreja, bem como livros cujas temas estão relacionados a crescimento do ministério, estratégias e por aí vai... Os pastores dividem os dias da semana com programações atrativas, gastam suas energias desenvolvendo estratégias que atraiam o maior número de pessoas. Sonham com auditórios lotados. Campanhas, correntes e demonstrações grotescas de exorcismos e milagres financeiros se sucedem. As pessoas, por sua vez, se achegam, seduzidos pelas promoções das prateleiras eclesiásticas. Esse modelo induz as pessoas a adorarem a Deus por aquilo que ele dá e não por quem é. Não se anuncia o senhorio de Cristo, apenas os benefícios da fé. Os crentes acabam tratando a bíblia como um amuleto e, supersticiosos, continuam presos ao medo. Vive-se uma religião de consumo. Querem fazer do Evangelho uma grife. Como? Primeiro transforma-se um seleto grupo de evangelistas, cantores e pastores em super estrelas ao estilo de Hollywood. Depois associam seu nome a grandes eventos e dão-lhes o holofote. Ensinam-lhes habilidades espirituais acima da média. Assim produzem-se ícones semelhantes aos do mundo do entretenimento. Eles aglutinam multidões, vendem qualquer coisa e criam novas modas. A indústria fonográfica enriquece, os congressos se enchem, e os novos astros do mundo “gospel” alavancam suas igrejas. Observa-se que a oferta pentecostal de serviços segue cada vez mais uma dinâmica empresarial, ditada pela lógica do mercado religioso, que pressiona os diferentes concorrentes religiosos a acirrarem seu ativismo e a tornarem mais eficazes suas ações e estratégias evangelísticas. Saia dessas teorias de sistemas, dessas mentalizações, mentorizações, desses empresarialismos de superfície em nome de evangelho eficiente, eficaz, explosivo, com propósitos e despropósitos, e vamos para a Palavra de Deus...

Respostas Bíblicas para Abusos Espirituais


Existem vários exemplos de abuso espiritual na Bíblia. No livro de Ezequiel, por exemplo, Deus descreve e condena os “pastores de Israel” que apascentam a si mesmos e não as ovelhas, que não cuidam das doentes, desgarradas e perdidas, mas dominam sobre elas com rigor e dureza (Ez. 34:1–10). Jesus reagiu com indignação contra os cambistas no Templo, que exploravam os fiéis, e também contra aqueles que se importavam mais com suas próprias interpretações da Lei do que com o sofrimento humano. Em Mateus 23, Jesus nos dá uma importante descrição dos líderes espirituais abusivos. Em Gálatas, Paulo argumenta contra aqueles que queriam impor um cristianismo legalista, subvertendo a mensagem do evangelho. Existem muitos outros exemplos na Bíblia.
Jesus Cristo era Deus encarnado, a segunda Pessoa da Trindade, o Criador do universo. Ele, obviamente, tem a mais alta e soberana autoridade espiritual. Ainda assim, Jesus não usou essa autoridade para subjugar seus discípulos, ele não abusou de sua autoridade para colocá-los sob o jugo de regras e regulamentos legalistas. Ao contrário, ele disse:
“Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve” (Mt. 11:28–30).
Jesus jamais procurava manter as aparências externas. Ele comia com publicanos e pecadores. Aos fariseus legalistas, Jesus aplicou as palavras de Isaías:
“Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens” (Mt. 15:9).
Ele condenou sua atitude:
“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade” (Mt. 23:27–28).
Jesus, ainda que ensinasse a Lei perfeita de Deus, colocava as necessidades legítimas das pessoas acima de regras ou regulamentos legalistas. Ainda que nenhum ser humano seja absolutamente perfeito nessa vida, podemos saber que já temos vida eterna.
Os fariseus eram um exemplo de líderes espirituais abusivos, veja: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!” (Mt. 23:23).
Jesus não era paranóico como os líderes abusivos. Seu ministério era transparente ao público. Ele não tinha nada a esconder. Jesus não só criticou os líderes religiosos por suas doutrinas errôneas, mas também, quando criticado, ele não os silenciou, mas deu-lhes respostas bíblicas e racionais às suas objeções.

Pastores e membros da Igreja Renascer se tatuam com inscrições “Renascer até Morrer”

Membros, pastores, bispos e líderes da Igreja Renascer tatuaram em si mesmos as inscrições “Renascer até Morrer”. Vejam a que ponto chegou a idolatria, com está escrito em Romanos 1:25 - “Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e adoraram a criatura mais do que ao Criador”. Abra o seu dicionário Aurélio e veja que Adorar - (do LATIM adorare) significa reverenciar, amar extremamente, VENERAR, idolatrar.
Segundo alguns que fizeram a tatuagem, o motivo que os levaram a fazer isso foi o milagre que Deus fez na vida deles através da Igreja Renascer em Cristo e também por estarem no chamado ano de Elias, onde estão em guerra para vencer.
A frase “Renascer até Morrer” é baseada no versículo bíblico que está em Apocalipse 2:10 - “Sê fiel até a morte”.
Veja o comentário do teólogo Caio Fábio:
“Esta é a circuncisão da Renascer sendo instituída! É a fimose pós-moderna de uma seita cristã-rocky-panqueira-urbana. É a fé dos gregos e dos romanos com fantasia neo-pentecostal. Entretanto, o que tudo isto me causa é pena e misericórdia”.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Breve dicionário de algumas denominações


Fé - Crer absolutamente naquilo que o pastor/apóstolo diga.
Amor - Atender o chamado do líder e dizer para a pessoa ao seu lado: "Deus vai realizar todos os seus sonhos".
Promessa - Carro, casa, dinheiro.
Evangelismo - Mandar alguém ir à igreja.
Adorar - Chorar durante horas cantando algum tipo de música lenta e repetitiva.
Fidelidade - Qualidade mostrada no ato de dizimar/ofertar mensalmente.
Levita - Pseudo-músico que se acha superior aos demais por cantar/tocar.
Perdão - Ficar fora de comunhão durante um tempo variável de acordo com o pecado.
Comunhão - Não ter ninguém te acusando ou falando a seu respeito.
Profeta - Expert em leitura corporal e oratória.
Deus - O cara responsável por abençoar quando mandado.
Espírito Santo - Ser que faz as pessoas caírem e receberem novas unções.
Jesus - Um cara que fez o oposto do que deve-se fazer.
Inferno - Lugar para onde os que não estão na igreja (templo) irão.
Diabo - O culpado por tudo de ruim que aconteça.
Esperança - Ser tão rico quanto os apóstolos e líderes da TV.
Salvação - Alcançada indo à igreja e sendo fiel (vide fidelidade).
Unção - Algo que se recebe para se sentir superior aos outros.
Abençoado - Ser cabeça e não cauda.
Pecado - Infração cometida contra a igreja e variável com a cartilha.
Igreja - Templo luxuoso que exige fidelidade para sua manutenção.

Curso de Teologia duvidoso!

Alguém se habilita a fazer o curso de bacharel em Teologia nesta faculdade? Pelas informações "bem esclarecidas" e também pela demonstração de honestidade através do alerta contra os "falcificadores", com certeza vemos que é (des)confiável o conteúdo do ensino.

O pior é que o autor destas proezas acima é simplesmente o "diretor e coordenador" das faculdades (FAITEBA E FAITEMIG). O mesmo se diz Bacharel em Teologia. Hum... sei...E esse negócio de "não comer gato por lebre"? Essa eu não conhecia.(rs)Bom mesmo é quando chega a formatura, você poderá adquirir o "anel teológico" de ouro 18, por uma bagatela de R$1.400,00!Um verdadeiro ABSURDO...

Fonte: [ http://faiteba-teologia.blogspot.com/ ]


Banalização do Discipulado Cristão


Discipulado cristão deveria ser o ensino da Palavra de Deus. Pastores e líderes têm a missão de comunicar a mensagem da cruz. De que forma temos recebido o discipulado? Será que de maneira coerente com a bíblia? Somos, como Igreja, chamados a trazer o Reino de Deus gerando outros à imagem do Senhor Jesus. Discípulos então que gerem outros discípulos, de Jesus é claro!

O que temos presenciado é uma grande banalização do que significa discipular. O que está sendo pregado é um evangelho desvinculado da cruz, da dor, da perseguição e ao invés disso pregam textos que podem ser adaptados as suas visões, enfatizando prosperidade, riqueza, poder, estratégias, crescimento em números, etc..

Jesus nos deixou claro que para ter vida era necessário comer da sua carne e beber do seu sangue. O que temos visto são pessoas que não entende a mensagem de Jesus, ou seja, para ser discípulo era necessário internalizar a presença do Cristo. Jesus começa a explanar os fundamentos do discipulado, os desafios e as implicações que teriam sobre os seus seguidores. Era preciso crer que Ele era o pão que desceu do céu. Não era o maná de Moisés, mas o pão que dá vida ao mundo! Essa mensagem se faz urgente em nossos dias onde experimentamos uma busca crescente por Jesus, não pelos riscos da missão, mas de uma forma utilitarista, barganhadoura, cômoda e imparcial.

A nossa missão deveria fazer de cada pessoa um cristão, um discípulo de Jesus. Devemos apenas orientar as pessoas com relação a Palavra de Deus e não aos nossos “achismos”. Alguns líderes negligenciam o ensino da Palavra de Deus aos seus discípulos fazendo com que estes permanecem eternos meninos na fé.

A igreja tem a obrigação de ser um dos meios de Deus para o crescimento das pessoas na graça. Se, em vez disso, ela é um lugar onde são usados textos da Palavra de Deus para adaptar as estratégias da visão da igreja, o povo torna-se carente da Verdade, continuando cativo pelo pecado em alguns casos. Igrejas que se preocupam com o crescimento tendem a pregar mensagens tais como “Sonha e ganharás o mundo”, “Crescimento Explosivo”, “Ganhando multidões” e por aí vai. Tal igreja certamente não glorificará a Deus.

Diferenças entre evangelizar e gedozizar


Evangelizar é pregar as boas novas de salvação (Hb 4.2).
Gedozizar é convencer alguém de que “a visão” é a solução para os seus problemas, principalmente aqui na terra.
Evangelizar é pregar que, se alguém está em Cristo, nova criatura é (2 Co 5.17).
Gedozizar é convencer pessoas da necessidade de participarem de “encontros” para terem as suas vidas mudadas.
Evangelizar é apresentar um evangelho cristocêntrico, centrado no Senhor Jesus Cristo (1 Co 2.1-5; 2 Co 2.17).
Gedozizar é apresentar um evangelho antropocêntrico, centrado no ser humano.

Evangelizar é apresentar a mensagem da cruz, que é loucura para os que perecem (1 Co 1.18).
Gedozizar é apresentar uma mensagem contextualizada, que se amolda às necessidades do homem moderno.
Evangelizar é convencer os pecadores de que, em Cristo, eles terão de estar dispostos a sofrer pelo evangelho (Lc 9.23; Mt 5.11,12).
Gedozizar é mostrar a todos que os que abraçam “a visão” estão livres de problemas, vivendo “por cima da carne seca”.
Evangelizar é levar a preciosa semente, andando e chorando (Sl 126.6). Gedozizar é propagar “a visão” por meio de shows e espetáculos agradáveis e divertidos.
Evangelizar é pregar a Palavra de Deus, pois a fé é pelo ouvir a Palavra de Deus (Rm 10,17). Jesus, inclusive, passou a maior parte do tempo de seu ministério terreno ensinando e pregando, e não cantando e dançando (Mt 4.23).
Gedozizar é deixar a exposição da Palavra em segundo plano, valorizando muito mais a música, as expressões artísticas, etc.
Evangelizar é apresentar a Ajuda do Alto (Rm 1.16).
Gedozizar é apresentar a autoajuda.
Evangelizar é pregar uma mensagem que enfatiza o arrependimento e a fé salvífica (At 3.19; Ef 2.8,9).
Gedozizar é discorrer sobre os “sonhos de Deus que jamais vão morrer”.
Evangelizar é fazer questão de mencionar o nome de Jesus, ainda que isso gere perseguição e zombaria por parte das pessoas do mundo (Mc 16.15-28; At 17.18).
Gedozizar é discorrer sobre prosperidade material ou vitória financeira, milagres, massageando o ego das pessoas.
Evangelizar é enfatizar que, no culto coletivo a Deus, Ele deve ser voluntariamente adorado, em espírito e em verdade, sem segundas intenções (Jo 4.23,24), ainda que, por ser gracioso, Ele nos conceda grandes bênçãos (Tg 1.17).
Gedozizar é levar os participantes do culto (culto?) a pensarem que Deus é uma espécie de Papai Noel, que distribui “presentes” a todos, fazendo aflorar o lado interesseiro do ser humano.
Evangelizar é fazer o pecador entender que a adoração implica prostrar-se, humilhar-se, quebrantar-se diante do Senhor Jesus, reconhecendo a sua grandeza (2 Cr 20.18; 29.29; Ne 8.6; Sl 95.6; Jó 1.20; 1 Co 14.25). Gedozizar é confundir adoração com cantoria interminável, emprego de estilos musicais impróprios para o louvor, bem como uso de danças e outras extravagâncias.
Evangelizar significa priorizar a verdade, e não a quantidade de pessoas (Jo 6.60-69).
Gedozizar é convencer o maior número possível de pessoas de que o G12 deve ser abraçado.São tantas e tantas diferenças...
Que Deus abra os olhos dos desavisados, que têm abraçado esse “outro evangelho” gedozista, mediante o qual se distanciam, a cada dia, da Palavra de Deus e da simplicidade do evangelho (2 Co 11.2-5). E, fazendo isso, seguem a heresias, como: triunfalismo, teologia da prosperidade e experiencialismo, além de modismos e adoção de estratégias mundanas. “Ai dos que ao mal chamam bem” (Is 5.20).
Fonte: http://cirozibordi.blogspot.com/2009/04/diferencas-entre-evangelizar-e.html

Saiba como morreram os apóstolos


O martírio dos apóstolos foi anunciado por Jesus:

"Por isso, diz também a sabedoria de Deus: profetas e apóstolos lhes mandarei; e eles matarão uns e perseguirão outros" (Lc 11.49).
"E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós. E de todos sereis odiados por causa do meu nome" (Lc 21.16-17).
Esta palavra diz respeito, também, aos crentes de um modo geral. Ainda hoje, anualmente, milhares são martirizados em todo o mundo.
"Se a mim me perseguiram também vos perseguirão a vós... mas tudo isso vos farão por causa do meu nome" (Jo 15.19-20).

"Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos...eles vos entregarão aos sinédrios e vos açoitarão nas suas sinagogas, e sereis conduzidos à presença dos governadores e dos reis, por causa de mim..." (Mt 10.16-18).

Com relação aos sofrimentos e martírio de Paulo, Jesus revelou:

“Eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome" (At 9.16).

O Evangelho pregado em nossas igrejas inclui a possibilidade de sofrimento por amor a Cristo. Ou anunciamos somente prosperidade, fartura, longevidade e saúde? Vejamos como os apóstolos morreram:

ANDRÉ - Foi discípulo de João Batista, de quem ouviu a seguinte afirmação sobre Jesus: "Eis aqui o Cordeiro de Deus". André comunicou as boas notícias ao seu irmão Simão Pedro: "Achamos o Messias" (Jo 1.35-42; Mt 10.2). O lugar do seu martírio foi em Acaia (província romana que, com a Macedônia, formava a Grécia). Diz a tradição que ele foi amarrado a uma cruz em forma de xis (não foi pregado) para que seu sofrimento se prolongasse.

BARTOLOMEU - Tem sido identificado com Natanael. Natural de Caná de Galiléia. Recebeu de Jesus uma palavra edificante: "Eis aqui um verdadeiro israelita, em quem não há dolo" (Mt 10.3; Jo 1.45-47) Exerceu seu ministério na Anatólia, Etiópia, Armênia, Índia e Mesopotâmia, pregando e ensinando. Foi esfolado vivo e crucificado de cabeça para baixo. Outros dizem que teria sido golpeado até a morte.

FILIPE - Natural de Betsaida, cidade de André e Pedro. Um dos primeiros a ser chamado por Jesus, a quem trouxe seu amigo Natanael (Jo 1.43-46). Diz-se que pregou na Frigia e morreu como mártir em Hierápolis.

JOÃO - O apóstolo que recebeu de Jesus a missão de cuidar de Maria. "O discípulo que Jesus amava" (Jo 13.23). Pescador, filho de Zebedeu (Mt 4.21 O único que permaneceu perto da cruz (Jo 19.26-27). O primeiro a crer na ressurreição de Cristo (Jo 20.1-10). A tradição relata que João residiu na região de Éfeso, onde fundou várias igrejas. Na ilha de Patmos, no mar Egeu, para onde foi desterrado, teve as visões referidas no Apocalipse (Ap 1.9). Após sua libertação teria retornado a Éfeso. Teve morte natural com idade de 100 anos.

JUDAS TADEU - Foi quem, na última ceia, perguntou a Jesus: "Senhor, por que te manifestarás a nós e não ao mundo?" (Jo 14:22-23). Nada se sabe da vida de Judas Tadeu depois da ascensão de Jesus. Diz a tradição que pregou o Evangelho na Mesopotâmia, Edessa, Arábia, Síria e também na Pérsia, onde foi martirizado juntamente com Simão, o Zelote.

MATEUS - Filho de Alfeu, e também chamado de Levi. Cobrador de impostos nos domínios de Herodes Antipas, em Cafarnaum (Mc 2.14; Mt 9.9-13; 10.3; At 1.13). Percorreu a Judéia, Etiópia e Pérsia, pregando e ensinando. Há várias versões sobre a sua morte. Teria morrido como mártir na Etiópia.

MATIAS - Escolhido para substituir Judas Iscariotes (At 1.15-26). Diz-se que exerceu seu ministério na Judéia e Macedônia. Teria sido martirizado na Etiópia.

PAULO - Israelita da tribo de Benjamim (Fp 3.5). Natural de Tarso, na Cilícia (hoje Turquia). Nome romano de Saulo, o Apóstolo dos Gentios. De perseguidor de cristãos, passou a pregador do evangelho e perseguido. Realizou três grandes viagens missionárias e fundou várias igrejas. Segundo a tradição, decapitado em Roma, nos tempos de Nero, no ano 67 ou 70 (At 8.3; 13.9; 23.6; 13-20).

PEDRO - Pescador, natural de Betsaida. Confessou que Jesus era "o Cristo, o Filho do Deus vivo" (Mt 16.16). Foi testemunha da Transfiguração (Mt 17.1-4). Seu primeiro sermão foi no dia de Pentecostes. Segunda a tradição, sua crucifixão verificou-se entre os anos 64 e 67, em Roma, por ordem de Nero. Pediu para ser crucificado de cabeça para baixo, por achar-se indigno de morrer na mesma posição de Cristo.

SIMÃO, o Zelote - Dos seus atos como apóstolo nada se sabe. Está incluído na lista dos doze, em Mateus 10.4, Marcos 3.18, Lucas 6.15 e Atos 1.13. Julga-se que morreu crucificado.

TIAGO, O MAIOR - Filho de Zebedeu, irmão do também apóstolo João. Natural de Betsaida da Galiléia, pescador (Mt 4.21; 10.2). Por ordem de Herodes Agripa, foi preso e decapitado em Jerusalém, entre os anos 42 e 44.

TIAGO, O MENOR - Filho de Alfeu (Mt 10.3). Missionário na Palestina e no Egito. Segundo a tradição, martirizado provavelmente no ano 62.

TOMÉ - Só acreditou na ressurreição de Jesus depois que viu as marcas da crucificação (Jo 20.25). Segundo a tradição, sua obra de evangelização se estendeu à Pérsia (Pártia) e Índia. Consta que seu martírio se deu por ordem do rei de Milapura, na cidade indiana de Madras, no ano 53 da era cristã