quarta-feira, 31 de outubro de 2012

9,5 teses em Martinho Lutero contra as autoindulgências da Igreja Moderna


Outubro é o mês em que tipicamente lembramos e celebramos a Reforma. Embora alguns protestantes tenham descrito a Reforma como uma tragédia, teria sido uma tragédia bem maior se ela nunca tivesse acontecido. Entretanto, existe no mundo evangélico contemporâneo uma tendência de romantizar Lutero, de refazê-lo como um evangélico moderno. Sim, é difícil para alguns de nós imaginarmos, mas tenho certeza de que existem alguns por aí que veem Dr. Martinho como o tipo de precursor daqueles que pensam que o segredo de um ministério de sucesso está em vestir jeans rasgado, visitar regularmente o bronzeamento artificial e lançar uma campanha internacional contra roupas nerds e antiquadas e a odontologia britânica.
Assim, em honra ao bom Doutor e a fim de salvá-lo da historiografia domesticada dos Jovens, Bonitões e Bacanas, aqui está uma série de teses sobre o Homem de Wittenberg, cuja força cumulativa deve provar que, no mundo evangélico de hoje, ele teria se saído um excelente taxista.

Tese Um: Martinho Lutero enxergava a liderança da igreja como primariamente marcada pelo serviço.

Para Lutero, a natureza servil do chamado ministerial não era um princípio abstrato, mas parte de sua prática cotidiana, ligando o seu entendimento do Deus revelado primariamente na carne crucificada de Cristo à atitude, perspectiva e expectativa necessárias aos ministros de Cristo. O ministro,como seu Salvador, deveria servir o pobre, o desprezado e as coisas que não são. É por isso que quando seu barbeiro, Pedro, expressou preocupação sobre quão difícil ele considerou a oração, Lutero foi para casa e lhe escreveu um tratado sobre oração. E ele não se esqueceu de Pedro depois.  Quando o trágico barbeiro matou seu cunhado em uma briga de bêbados e foi sentenciado à morte, Lutero interviu para obter a sentença comutada para banimento pelo resto da vida. Embora fosse muito ocupado, Lutero nunca esqueceu a quem ele deveria estar servindo.

Tese Dois: Martinho Lutero entendia o culto como fundamentado no arrependimento.

Lutero não entendia a dialética lei/evangelho como oferecendo fundamento para o antinomismo ou como as bases conceituais de uma visão afeminada e distorcida de Deus como exclusivamente pai.  Pelo contrário, ela expressava a tragédia profunda e aterrorizante da condição caída da humanidade e como somente o próprio Deus em Cristo é o único forte o bastante para nos proteger; e o culto, assim, não era uma resposta emocional, sentimental e boba, à maneira como Deus lida com nossas “feridas”. Na verdade, ele não considerava que o principal problema dos pecadores era estarem feridos. Pelo contrário. O principal problema deles era que estavam em deliberada rebelião contra Deus – e realmente gostando disso. Eles não precisavam ser confortados, mas feridos pela Lei. A verdadeira vida, portanto, deveria ser encontrada em contínua morte para si mesmo e ressurreição para Deus.

Assim, o culto era um constante lembrete dramático de quão terrivelmente próximos estamos do julgamento de Deus e de como Cristo é a única pessoa que pode nos proteger da fúria da tempestade. O culto, portanto, não era uma celebração superficial; é muito mais sério que isso, como se pode ver pelos seus frutos litúrgicos. Menos “Brilha, Jesus!” e mais “Paixão segundo São Mateus” de Bach.

Tese Três: Martinho Lutero não se importa com o mito da influência cultural, nem com a arrogância cultural necessária para atrair a atenção dos Grandes e dos Bons. 

Lutero certamente chamou atenção dos Grandes e dos Bons. Mas não foi por gostar de cervejas artesanais (embora ele realmente gostasse), por suas tatuagens (não há registro de alguma), por seu amor pelas artes e música (pelo que era particularmente apaixonado) ou por sua habilidade de adaptar sua atitude e conquistar lugar na mesa da grande mídia. Pelo contrário, foi porque ele disse a verdade. Ele sabia que o mundo não se importa realmente com sutilezas ou com a amizade da igreja, e que as tentativas da igreja de fazer amizade com o mundo sempre são desastrosas para ela. 

Como aqueles que tentam acomodar-se no debate sobre homossexualidade logo descobrirão, são somente os que estão em posições de fraqueza política e social que se interessam por adaptações de pensamento; aqueles que têm poder sempre vivem em um mundo “preto-no-branco”, onde somente eles fazem as regras do jogo e somente eles as impõem. Lutero chamou atenção não porque dominava as regras do jogo, mas porque se recusava a jogar por elas.

Tese Quatro: Lutero via o sofrimento como uma marca da verdadeira igreja. 

Para Lutero, a verdadeira igreja seria culturalmente desprezada pelos grandes. De fato, seu conceito do teólogo da cruz impulsionou uma teologia que evitava métodos e critérios de sucesso como o mundo os enxergava. Em sua obra de 1539, Sobre os Concílios da Igreja, Lutero via a cruz como uma das sete marcas da igreja saudável. Sofrer e ser considerado como escória por todo o mundo eram o esperado. Pode-se perguntar hoje quão cheias as megaigrejas estariam se o governo adicionasse um imposto de 10% sobre aqueles que professassem o cristianismo. De fato, quando alguns dos gigantes emblemáticos da nova onda evangélica nem mesmo tiveram cultos no último domingo do ano passado, 25 de dezembro, porque coincidia com o Natal, me pergunto o que compromisso, sofrimento e sacrifício significam nesses contextos, se é que alguma coisa.

Tese Cinco: Martinho Lutero era pastoralmente sensível quanto a práticas queridas de cristãos mais velhos.

Após defender a liturgia na língua vernácula, levou cinco anos para Lutero realmente implementar uma em Wittenberg. Então, quando ele escreveu seus catecismos, deliberadamente usou vocabulário pré-Reforma para expressar sua nova teologia. Por quê? Simplesmente isto: ele era pastoralmente sensível. Ele sabia que sua tarefa como servo (ver Tese Um) significava que ele não poderia simplesmente impor sua vontade sobre o povo de uma maneira que lhes machucasse, ferisse e afligisse. O culto contemporâneo da juventude e da inovação teria lhe impressionado como completamente equivocado e insensível, uma rendição aos gostos e exigências da categoria de pessoas com menor probabilidade de ter algo útil ou sábio para contribuir sobre como a igreja deveria guiar seus trabalhos. E para aqueles que dizem que uma atitude assim nunca produziria um convite para aparecer na televisão ou alienaria os Jovens, Bonitões e Bacanas, ele simplesmente teria lhes indicado a Tese Três acima.  Sua primeira prioridade era cuidar de todo o povo de Deus, não de uma faixa etária restritamente definida; na verdade, ele temia profundamente o emprego da energia e entusiasmo dos jovens em uma causa violentamente iconoclasta. Assim, ele retornou a Wittenberg, em 1522, a fim de colocar para correr aqueles que buscavam trazer uma reforma radical.

Tese Seis: Lutero não concordou em diferir sobre questões de importância e, assim, transformá-las em trivialidades práticas. 

Em 1529, Lutero efetivamente destruiu uma aliança entre os príncipes luteranos e os cantões da Reforma Suíça devido à sua crença na Presença Real de Cristo na Ceia do Senhor.  Para as mentes evangélicas modernas, isso provavelmente parece loucura; porém, como Machen salientou, era melhor que ele se apegasse apaixonadamente a uma posição errada em um tópico muito importante que se ele simplesmente deixasse a Ceia do Senhor de lado porque ela não era tão importante. Lutero não permitiu que os gostos de sua época nem a necessidade urgente de uma confederação ampla o levasse a desprezar o que ele estava convencido ser ensino da Escritura.

Tese Sete: Lutero via a existência do ministro ordenado como uma marca da igreja. 

No início da Reforma, o escritor papal Prierias escreveu uma obra atacando a teologia de Lutero. Lutero era tão estúpido, afirmou Prierias, que ele tinha escrito sua refutação ao reformador em apenas três dias.  Em resposta, Lutero republicou a obra com um prefácio escrito por ele mesmo, em que dizia que havia escrito sua refutação de Prierias em dois dias. Ao fazer isso, Lutero demonstrou uma compreensão instintiva de como a inovação tecnológica da impressão barata tinha mudado as regras do jogo polêmico: queimar livros era inútil como forma de controlar o conhecimento; subversão era muito melhor. Entretanto, apesar de toda a sua compreensão de quão importante era a tecnologia e quão crucial era a capacidade de usá-la, ele recusou-se a fazer dos tecnocratas uma marca da igreja.  Após a catástrofe de 1525, Lutero rapidamente passou a perceber que os ministros ordenados, aqueles escolhidos pela igreja como detentores das capacidades morais e pedagógicas descritas por Paulo, eram aqueles a quem a igreja foi confiada. Há uma lição aqui para um mundo como o nosso, onde os Jovens, Bonitões e Bacanas com experiência computacional aspiram definir as prioridades das igrejas pela simples força da habilidade tecnológica. Lutero não era um ludita; mas ele sabia que mera experiência midiática não implicava que uma pessoa deveria ser colocada em posição de influência.

Tese Oito: Lutero viu o problema de uma liderança que só prestava contas a si mesma.

Parte do problema que Lutero enfrentou na Reforma foi a completa falta de prestação de contas por parte dos Chefões. O Papa e os Cardeais se policiavam e voluntariamente não respondiam a ninguém. Portanto, a única maneira que Lutero tinha de fazer-se ouvido era usando todas as ferramentas retóricas de sua caixa, da sátira à polêmica contundente. Ele foi feliz nisso, claro: naqueles dias, não havia a estética da “dor” e “ferida” pessoal, que permitiu aos cristãos contemporâneos evitar a crítica e, na verdade, virar a mesa moral sobre aqueles que os criticavam. O problema da liderança irresponsável e influente no evangelicalismo está vivo e bem.  Oh Martinho! Deverias aqui estar neste instante: o evangelicalismo de ti precisa.

Tese Nove: Lutero tinha pouca consideração por sua própria contribuição literária ao Cristianismo.

Pouco antes de morrer, Lutero declarou que somente sua resposta a Erasmo, Da Vontade Cativa (1525), e seus catecismos eram dignos de preservação. Se ele estivesse vivo hoje, seria muito improvável que estaria administrando um site dedicado primariamente a promover seus próprios livros e panfletos. Assim, ele dificilmente seria um homem de sucesso no mundo evangélico moderno. Nem ele se permitira uma “propaganda descarada” de si mesmo chamando-a explicitamente por esse nome, como se a tentativa elaborada de ironia pós-moderna de alguma maneira tornasse aceitável a natureza autosserviente dessa vaidade mercenária. Suspeito que ele acharia que a deixa ainda pior, por adicionar o pecado do “insulto à inteligência do leitor” ao óbvio “propaganda descarada”.   (O último ponto é provavelmente digno de apenas meia tese. Daí o 9,5).

O impacto integral dessas teses: se o Dr. Martinho estivesse hoje entre nós, não encontraria espaço fácil na igreja evangélica. Na verdade, dirigir táxi poderia muito bem ser uma ocupação muito melhor.


Tradução: Josaías Jr no iPródigo
Fonte: Carl Trueman em Reformation 21
-----------------------------------

Americano diz ter ficado refém em igreja por quatro meses por ser gay

Um homossexual (foto) disse ter ficado refém em uma igreja evangélica da Carolina do Norte (EUA) por quatro meses depois que pastores souberam opção sexual do fiel.

De acordo com reportagem do "Charlotte Observer", Michael Lowry, de 22 anos, alega ter sofrido abusos físicos e psicológicos no período do "cativeiro" na Word of Faith Fellowship Church. Ele diz ter ficado confinado em um dormitório de 1º de agosto a 19 de novembro do ano passado. 

Michael afirma que os abusos eram parte de uma estratégia para expulsar "o demônio" do corpo que a igreja acredita que ser o responsável pela homossexualidade do rapaz. 

O jovem, segundo ele alega, também era acompanhado toda vez em que queria ao banheiro. Os pastores temiam que, sozinho, ele se masturbasse. 

Um antigo pastor da igreja classificou a acusação de Michael como"mentirosa". 

Reportagem do "Charlotte Observer" mostra que esta não é a primeira vez em que igreja, fundada em 1979, é alvo de acusações. Antigos membros dizem que eles eram obrigados a seguir uma rigorosa cartilha que determina onde morar, onde trabalhar, o que ler, como se vestir e até quando ter sexo com o marido ou a esposa.


Fonte: Page not found
------------------

Planos na contramão da vontade de Deus

Os nossos planos podem coincidir com os planos de Deus somente se mantivermos firme o objetivo de buscar a sua glória. Uma vez assentado em nossas mentes que Deus faz tudo para sua própria glória, será possível avaliar melhor nossos planos e projetos. "Quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus" (1 Co 10.31), mostra a finalidade que deve governar a vida. Esta ordenança bíblica somente pode refletir a motivação central do coração de Deus. A demonstração de sua grandeza, seus atributos perfeitos e domínio sobre a vontade de pessoas criadas em sua imagem é a finalidade da criação e da redenção.

Os planos humanos procuram a felicidade e a realização por meio do aumento de patrimônio e poder. Os homens planejam e trabalham assiduamente com a intenção de ganhar mais dinheiro, adquirir mais bens, gozar de mais conforto e garantir a segurança. Qual é o indivíduo que não quer casar com uma moça linda e apaixonante, ter dois filhos bem comportados com inteligência superior? Querem ser importantes, influentes, famosos e saudáveis. Tudo isto, e muito mais, motiva o coração humano a lutar e planejar. Homens querem dominar para que possam exercer sua própria vontade. Para alcançar conquistas tão importantes são necessários sonhos e planos. Procurar satisfação pessoal por meio de sucesso e vitórias sobre problemas e obstáculos é universal.

Pascal escreveu, "Todas as pessoas buscam a felicidade. Não há exceção para isso. Sejam quais forem os meios diferentes que empreguem, todos objetivam esse alvo... Esse é o motivo de cada ação de todo ser humano, mesmo dos que se enforcam" (Pensamento # 425 citando em J. Piper, Em Busca de Deus, Shedd Publicações).

Buscar quer dizer planejar. A razão pela qual existe uma imensurável quantidade de infelicidade no mundo se explica pela busca no lugar errado e por meios traiçoeiros. Aqueles que traçam planos para serem mais felizes, mas não alinham esses planos com o crivo da revelação que Deus nos outorgou na Bíblia, fatalmente chegarão, mais cedo ou mais tarde, na infelicidade. Se planejarmos com a finalidade de satisfazer nosso egoísmo, ficaremos decepcionados.

Todos os planos de Deus refletem sua justiça e amor. Qualquer plano nosso que passa de lado os interesses de Deus não pode ser bem-sucedido.

Jesus Cristo veio para servir, não ser servido (Mc 10.45). Planejar servir aos outros, especialmente às pessoas menos favorecidas na vida, coincide com o plano de Deus para os seus filhos. "Embora sendo Deus não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se, mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo (no grego, "escravo")..." (Fp 2.6,7 NVI). Escravos existem somente para fazer a vontade de seu dono.

Como foi diferente o pensamento do empresário que anunciou numa palestra para um auditório repleto de pessoas ambiciosas. "Já ganhei suficiente dinheiro para nunca mais ter que fazer alguma coisa que não gosto de fazer". Jesus contou a história dum bem-sucedido fazendeiro que, tendo armazenado tantos bens que disse para si mesmo, "Descanse, coma, beba e alegre-se". Planejou longos anos de felicidade na contramão do plano de Deus. Este lhe disse, "Insensato"! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida" (Lc 12.19, 20 NVI).

Planejar a vida sem considerar a vontade de Deus é pura tolice. Todo cristão comprometido sabe isto na teoria, mas na prática, muitos estão escolhendo carreiras e cônjuges sem consultar o seu Dono. Empresários estão investindo, esperando multiplicar seus bens e consequentemente sua felicidade. Pede-se a bênção do Senhor sem buscar em primeiro lugar o Reino e sua justiça. Não se deve admirar que tais planejadores caiam na infelicidade.



Fonte: Russell Shedd no Instituto Jetro
---------------------------------------

Padre expulsa menina de igreja por causa de roupa inadequada

Uma adolescente de 16 anos foi expulsa neste domingo (28) de uma missa na comunidade de Gamas, na cidade de Nova Serrana, no Centro-Oeste de Minas Gerais. Segundo a estudante Thalita Alessandra Silva Mota, o motivo foi o short que ela usava. Ela contou que o padre chamou sua atenção na frente de mais de 150 pessoas que estavam presentes durante a celebração de uma missa. “Ele disse no microfone que a roupa que eu estava era inadequada para uma missa. Eu não ficaria chateada se ele tivesse dito isso reservadamente. O problema foi que ele não soube ser educado e disse para eu me retirar da igreja e trocar a minha roupa”, desabafou. Em entrevista ao G1, o padre João Luiz Moreira confirmou a repreensão e disse que não muda a opinião.

O pai da menor, o cortador de solas de sapato, Cleisson Renato Mota, contou que Thalita passou por uma cirurgia na perna há menos de 30 dias e por causa dos pontos que ainda não cicatrizaram ela não podia usar roupas apertadas. “Foi recomendação do médico que ela não usasse roupas apertadas para não prejudicar a cicatrização, e nem roupas abafadas por causa do calor, por isso ela escolheu ir com o short à igreja”, contou.

Ainda de acordo com o pai e a menina, durante a missa o padre comentou sobre o tipo de roupas adequadas para a igreja e falou repetidas vezes sobre o mesmo assunto e, quando viu Thalita usando o short, a chamou e disse que o que ele estava falando era exatamente com ela. “Ele apontou o dedo para mim e falou: Mocinha, isso que eu estou falando é para você mesma. Vá embora e troque essa roupa que não é adequada para a ocasião. Eu abaixei a cabeça e entrei para a sacristia e fiquei lá até que passasse o mal estar. Depois fui embora para casa acompanhada do meu pai”, lembrou.

Cleisson Mota contou que tentou alertar o padre sobre o motivo da roupa da filha. “Para evitar qualquer constrangimento, eu tentei chamá-lo para justificar, mas ele simplesmente me ignorou e continuou a missa. Logo depois o que eu temia aconteceu, ele chamou a atenção da Thalita na frente de todos presentes”, explicou.

Segundo Ana Lúcia Silva Campos, que estava na missa, a atitude do padre foi desnecessária. “Ele falou três vezes sobre tipo de roupa para a igreja, foi muito grosso ao falar. Na terceira vez, quando Thalita se levantou, ele disse diretamente para ela com tom de grosseria, fiquei muito constrangida por ela”, opinião.

"O tipo de abordagem do padre tirou a atenção de todos dentre o da igreja, o pessoal ficou falando e cochichando sobre esse assunto. Ele não podia ter feito isso, poderia ter chamado a menina em um canto, sem prejudicar a garota que virou motivo de conversa durante o dia todo, foi um absurdo”, reforçou a estudante Larissa Cristina Campos a dona de casa.

Padre admite atitude sobre a roupa da adolescente

O padre João Luiz Moreira confirmou a repreensão à adolescente e afirmou que não muda a opinião só porque a menina passou por uma cirurgia. Segundo ele, a igreja é lugar sagrado e por isso as pessoas devem se vestir adequadamente para as celebrações. “Eu falei realmente que a roupa não era roupa de igreja. Em seguida ela se levantou e foi para frente da igreja. Por isso falei que estava falando com ela”, admitiu.

O pai da adolescente registrou um Boletim de Ocorrência e falou que irá acionar a Justiça pelo ato do padre. ”Eu vou processar o padre. Ele não tinha o direito de constranger minha filha na frente de todo mundo”, argumentou. Sobre uma possível ação na Justiça, o pároco não quis falar. "É um direito que ele tem, eu não vou dizer nada sobre o assunto”, finalizou.

Fonte: G1
------

Homens, tratem bem as mulheres

Existe um pequeno verso da Bíblia que tem me desafiado. Estou ponderando nessa pequena porção e sendo ensinado a ser um homem de verdade. Vivemos em um mundo repleto de meninos que pensam que são homens. A síndrome de Peter Pan está mais proliferada do que gostaríamos de admitir. No entanto, e é exatamente isso que me machuca, até aqueles que se empenham para ser um homem nobre percebem, cedo ou tarde, que o caráter deles possuem traços dos eternos homens meninos. É triste, mas é verdade. Não se trata de algo irreversível, mas a solução é acompanhada de muita dor, lágrimas e frustrações.

1 Tm 5:2 diz o seguinte: “trate… as moças, como irmãs, com toda pureza”. Como homens devemos tratar bem as mulheres e esse é um dos traços mais negligenciados por nós homens.  Tratar bem as mulheres não se resume apenas em não fazer algo de ruim a elas. Trata-se de uma soma, não de um subtração.  Os homens as tratam bem quando não abusam delas de nenhuma forma e quando as tratam com respeito e dignidade. Se o nosso tratar se resume em não fazer nada de errado, estamos errando. É sobre esse segundo ponto que 1 Tm  5:2 fala. Somos chamados a fazer isso. É uma questão de postura, de nobreza e de uma resoluta convicção.  Somos ensinados que devemos tratar todas as mulheres bem. Não importa quem elas sejam. Mãe, esposa, irmã, amiga, namorada. Todas estão no pacote.

Nesse versículo, o foco está na mulher jovem que não é nossa esposa. Somos desafiados a tratá-las como irmãs com toda pureza. Ou seja, somos chamados para protegê-las, para tratá-las com dignidade, respeito, amor, compreensão, misericórdia, com graça. Somos chamados para encorajá-las no caminho da santidade, no caminho certo, no caminho com Deus. Somos chamados para honrá-las.

A pergunta que surge é: temos feitos isso?

Esse texto é um lembrete do chamado sublime que nós homens temos. Ei, cara, trate bem as mulheres da sua vida, especialmente as mais jovens.



Fonte:  Evangelho Urbano
-------------------

Inglês encontra 'Jesus' atrás de geladeira

Um morador de Herne Bay (Inglaterra) achou a imagem de "Jesus" na parede atrás da geladeira na casa em que mora. 

Kenny Iddenden, de 27 anos, estava se desfazendo do refrigerador quando fez a descoberta, segundo contou o "Sun".

Já publiquei no blog muitas "aparições", em várias cidades. Esta parece ser a campeã.

O que você vê?



Fonte: Page not found
-------------------

A maior escuridão de todas

"E lancem fora o servo inútil, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes." (Mateus 25:30)

Alguma vez você já esteve num lugar escuro, mas tão escuro que não podia nem mesmo ver um palmo à frente do seu nariz? Há alguns anos atrás eu estava em Israel com um grupo, passando pelo túnel de Ezequias. Demora um certo tempo para percorrer esse canal antigo, que algumas vezes fica muito estreito e baixo. Entrei e andei poucos metros. Então disse ao grupo que iria encontrá-lo do outro lado. Era realmente muito escuro e amedrontador. Passava uma enorme sensação de confinamento.

Em algumas partes do mundo, como no Alasca, há períodos de escuridão prolongada no inverno. As pessoas, por vezes, entram em profunda depressão e até mesmo pensam em suicídio. Os médicos afirmam que precisamos de luz não só para nos fortalecermos fisicamente, mas também mentalmente. Precisamos ver o sol. E quando não estamos expostos a ele, isso afeta todos os aspectos do nosso corpo.

A Bíblia não somente compara o inferno a um "depósito de lixo" e a uma prisão, mas também o descreve como um lugar de trevas profundas. Pedro escreveu sobre aqueles que tinham os olhos cheios de adultério e eram gananciosos. Ele anunciou sua condenação, dizendo que a escuridão das trevas foi reservada para eles (ver 2 Pedro 2:14-17).

Jesus falou daqueles que seriam jogados nas trevas profundas (Mateus 8:12, 22:13 e 25:30). No entanto, não se limitou a descrever o inferno apenas como um lugar escuro, mas como sendo a escuridão em si. Isso implica que o inferno é infinitamente pior do que qualquer escuridão física, moral, mental ou espiritual que qualquer pessoa já tenha experimentado na Terra. Não é só escuridão. É a escuridão mais profunda e obscura de todas.



Fonte: Devocionais Diários
-----------------------

Descoberto bordel na Rússia que operava em mosteiro da Igreja Ortodoxa

As autoridades russas descobriram que um famoso edifício de um mosteiro em Moscovo albergava um bordel. O caso ganhou mais contornos polémicos face à proximidade que o padre responsável pelo mosteiro mantém com Vladimir Putin, presidente do país.
Duas mulheres foram já detidas por suspeitas de prostituição. A polícia revelou que, no interior do mosteiro de Sretensky, pelo menos sete quartos ofereciam serviços sexuais, a preços a rondar os 45 euros por hora.

A Interfax, agência noticiosa russa, divulgou um vídeo que mostrava brinquedos de cabedal, chicotes e correntes num dos alegados quartos do bordel, que descreveu como «adequado a jogos eróticos».

O Daily Telegraph explica ainda que o bordel faria parte da Podushkin, uma cadeia de hotéis, e que operava num espaço que o mosteiro lhe estaria a alugar. Um porta-voz do mosteiro disse que «o bordel pertencia a alguém que de maneira nenhuma está ligado» com a instituição.

O padre que rege o mosteiro, identificado como Tikhon,  há anos que tem sido apontado como um conselheiro religioso de Vladimir Putin, presidente russo que é um crente da Igreja Ortodoxa russa.



Fonte: SOL
---------

Pensamento sobre dinheiro



"O dinheiro é uma felicidade humana abstrata; por isso aquele que já não é capaz de apreciar a verdadeira felicidade humana, dedica-se completamente a ele."

(Arthur Schopenhauer)

Professor da PUC no Paraná gera polêmica ao criticar igreja católica: "a eucaristia é um baseado, que o padre vai passando de mão em mão"

Opiniões contrárias ao catolicismo dadas em sala de aula por um professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Paraná têm provocado polêmica entre os docentes da instituição. Professores já encaminharam carta aberta à reitoria criticando qualquer cerceamento à liberdade.

A polêmica começou depois que uma carta de um aluno seminarista, que não se identificou, foi publicada em um blog religioso. No texto, o autor acusa o professor de Filosofia Francisco Verardi Bocca de dizer blasfêmias e desrespeitar os dogmas da Igreja. O professor teria dito que "a eucaristia é um baseado, que o padre vai passando de mão em mão? É uma droga lícita?". Em outro trecho, diz: "Esse papa é tão ruim que nem Deus gosta dele". O post foi publicado no blog fratresinunum.com em 18 de outubro e recebeu quase 60 comentários de apoio.

Fontes ligadas à PUC afirmaram que um representante do papa chegou a pedir esclarecimento da direção da universidade. A instituição nega e se manifestou por meio de nota. "A universidade é um lugar de debate e de discussões da ciência, que preza pelo pluralismo ético, filosófico e religioso, características que fazem parte do que é ser acadêmico." Além disso, reiterou a independência do corpo docente. "A condução das aulas pelos professores e os seus comentários se dá em um debate acadêmico e as citações do referido blog estão sendo divulgadas fora desse contexto", concluiu.

Os professores encaminharam na última semana uma carta aberta para a reitoria. "Repudiamos a reiterada e sistemática campanha difamatória efetivada por carta e publicações anônimas que têm atingido a PUC-PR, o curso de Filosofia (graduação, mestrado e doutorado) e professores, especialmente o prof. dr. Francisco Bocca."



Fonte: Agência Estado
------------------

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Buscando a integridade do coração

Devemos compreender que a busca pela integridade sempre denuncia o pecado em nós. Richard Baxter, teólogo, homem piedoso e autor de mais de 130 livros, afirma, em seu livro O pastor aprovado, que “é mais fácil julgar o pecado que dominá-lo” e desafia-nos: “somos exortados a olhar por nós mesmos para não suceder que convivamos com os mesmos pecados contra os quais pregamos”. 

Certamente, isto é algo que deve nos fazer refletir com temor perante o Senhor, a cada palavra proferida no púlpito de nossas igrejas. Em Gn 17:1 lemos que Deus disse a Abraão: “Eu sou o Deus todo poderoso; anda na minha presença e sê perfeito”. Andar na presença de Deus leva-nos ao caminho da perfeição ao mesmo tempo em que andar em Sua presença aponta de forma clara as nossas imperfeições.

Não tem como sermos santos e íntegros se o pecado em nossas vidas não for denunciado. O pecado é, sociologicamente, compreendido de forma simbólica na organização social humana. Ao falarmos de pecado vêm à nossa mente o que rotulamos de pior ou inaceitável, como: o adultério, o roubo e o assassinato. Outras sociedades também possuem suas compreensões simbólicas do pecado. Entre os Konkombas de Gana o maior pecado é mentir. Entre os indígenas da Amazônia talvez seja ser pão duro, ou sovina, como preferem. 

De toda forma, precisamos observar que o pecado, mesmo não embutido de um simbolismo socialmente degradante, igualmente nos afasta de Deus. Facilmente censuramos a embriaguês, mas temos dificuldade em confrontar a gula. Apontamos com clareza a falta de domínio próprio nos relacionamentos, mas convivemos pacificamente com a inveja. Iramos-nos contra o roubo, mas, somos tolerantes com o engano.

A Bíblia nos leva a ter verdadeira visão do pecado e entender o que é a verdadeira religião. Tiago nos diz que: “Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência; então a concupiscência, havendo concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte... Se alguém cuida ser religioso e não refreia a sua língua, mas engana o seu coração, a sua religião é vã... Religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo”.

É surpreendente a exposição de Tiago a respeito do pecado que nasce na concupiscência e gera a morte. Ao comparar o verdadeiro cristianismo com a falsa religiosidade, a partir daquilo que é santo ou pecaminoso, ele simplifica a mensagem tornando-a aplicável à vida diária. Exemplifica dizendo que é pura religiosidade não refrear a sua língua ao passo que é verdadeiro cristianismo visitar os órfãos e as viúvas.

O claro ensino é que precisamos lidar com o pecado de forma prática e objetiva. C. S. Lewis nos fala sobre o engano que sempre rodeia o pecado quando afirma que “quando um homem se torna melhor, compreende cada vez mais claramente o mal que ainda existe em si. Quando um homem se torna pior, percebe cada vez menos a sua própria maldade”.

Há mensagens claras na Palavra do Senhor quanto ao pecado. Uma delas é que o pecado é combatido pelo poder de Deus. Que a carnalidade, tendência natural humana ao pecado, é controlada pelo Espírito. Que, por termos escolhas naturalmente más, sermos cheios do Espírito é a forma bíblica e certa de fazermos morrer a carne. Que a vida devocional, buscar ao Senhor e escolher a melhor parte, que não nos será tirada, é a principal iniciativa para aqueles que desejam estar com Ele. 

Na busca da integridade de coração, cedo ou tarde perceberemos isto: que andar na presença de Deus leva-nos ao caminho da perfeição ao mesmo tempo em que lança luz sobre as nossas imperfeições.



Fonte: Ronaldo Lidório no Instituto Jetro
------------------------------------

Bar põe 'Jesus e Maria' na cama em propaganda

O bar Chapel, em Auckland (Nova Zelândia), resolveu provocar na comemoração dos seus sete anos de vida noturna. A propaganda, assinada pela agência Ogilvy New Zealand, mostra o que seriam "Jesus" e "Maria" na cama, depois de uma suposta noite de prazer.

Esta não é a primeira vez que o Chapel usa imagens sagradas. Em outras campanhas polêmica, o restaurante pintou em copos as imagens de Jesus e Maria com pizzas como se fossem halos sobre a cabeça e já imprimiu o cardápio como se fosse uma escritura sagrada. 

E tem dado certo. O Chapel vem arregimentando muitos clientes e gozando de fama em Auckland.



Fonte: Page not found
------------------

Mais pão, por favor

"Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará."(João 6:27)

Após realizar o milagre de alimentar 5000 homens, Jesus cruzou o Mar da Galiléia. Uma multidão o seguiu até a outra margem.

"Quando o encontraram do outro lado do mar, perguntaram-lhe: 'Mestre, quando chegaste aqui?' Jesus respondeu: 'A verdade é que vocês estão me procurando, não porque viram os sinais miraculosos, mas porque comeram os pães e ficaram satisfeitos. Não trabalhem pela comida que se estraga, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem lhes dará. Deus, o Pai, nele colocou o seu selo de aprovação'". (João 6:25-27)

Jesus sabia o que se passava no coração deles. Eles não tinham real interesse espiritual. Nem sequer tinham o desejo de conhecer propriamente Jesus. Eles só queriam a comida. Queriam o Cristianismo sem Cristo.

As pessoas querem o perdão, mas não querem se arrepender. Querem ir para o céu, querem ter a coroa, mas não querem carregar a cruz.

Todavia, isso é como a compra de um pacote. Você não tem como selecionar só os itens que gosta. Talvez você pense: "Quero ser perdoado. Quero ter certeza que vou para o Paraíso, mas ainda quero o prazer do pecado". Não, isso não vai dar certo. Você deve decidir: você só quer pão, ou quer o Pão da Vida?



Fonte: Devocionais Diários
----------------------

Católicos e evangélicos se rendem de vez ao axé, funk, forró e sertanejo

O papa é pop, mas é também rock, axé, sertanejo, forró; assim como o bispo, que se rendeu até ao funk. Levar a palavra de Deus, seja em que credo for, e ainda no embalo de ritmos populares está virando moda no país, especialmente entre bandas e cantores de música cristã. “O que importa não é a batida ou a melodia, mas o que a letra diz. O ritmo musical acaba sendo uma estratégia – ainda mais no nosso caso, que é o funk – para atrair aqueles jovens que estão por aí soltos, se drogando. A mensagem é o que influencia e a nossa música tem como base os ensinamentos de Deus e louvam o Senhor”, salienta Diego Fortes, um dos MCs e idealizadores do Baile Gospel Os Cocadas (que são os cristãos mais animados), que é realizado há quatro anos no Rio de Janeiro e, vez por outra, em outras cidades do Brasil. 

A festa chega a reunir 2 mil pessoas e tem boa parte do público formada por adolescentes. Lá não há consumo de álcool e drogas, e não é permitido que casais, mesmo marido e mulher ou namorados, troquem carinhos mais ousados. “O funk já tem essa associação natural com o sexo e a gente pede para os frequentadores maneirarem, para não despertar qualquer estímulo, especialmente na moçada. As pessoas sempre respeitam e entendem nossa posição. Temos uma equipe de 70 irmãos que andam pelo baile com lanternas fiscalizando, e se alguém se beija ou se abraça, a gente brinca que leva luz onde houver trevas. Mas é tudo numa boa”, ressalta Diego.

Além de ser um evento para entreter e promover a comunhão entre a comunidade, à meia-noite, um pastor ou líder da igreja Ministério Libertos para Adorar faz uma pregação. “Aqui toca funk, hip-hop, pagode gospel, mas também tem a hora de ministrar a palavra. Só no último baile, 18 pessoas aceitaram Jesus. O funk, mesmo aqui no mundo cristão, sofre um pouco de preconceito, especialmente por parte das igrejas mais tradicionais. Mas elas têm mudado de opinião e reconhecido que nosso trabalho é sério, que nosso foco é a proclamação da palavra de Deus”, garante Diego Fortes.

Boa parte do público dos shows e de quem compra os CDs e DVDs são religiosos ou praticantes, mas há quem também frequente as apresentações dos artistas gospel só para curtir o som. É o que garante Ollyver Marcelo, produtor da Banda Salvação, grupo evangélico de axé surgido há 12 anos em João Pessoa, na Paraíba. “Temos muitos amigos de bandas que não são gospel que gostam muito do nosso trabalho. E bastante gente que não segue nenhuma religião e acaba curtindo o nosso som e se converte. Aliás, esse é o nosso principal objetivo: converter as pessoas ou fortalecer os laços com Deus”, garante Ollyver. 

Quando foi criada em 2000, a Banda Salvação era especializada em pagode, mas acabou descobrindo o axé. O produtor revela que no começo chegou a ser criticado por “pregar” utilizando ritmos pouco convencionais. Entretanto, aos poucos, foram tendo maior aceitação, especialmente entre os jovens. “Tem quem ache que música de louvor e adoração tem que ser tradicional. Mas acho que não tem nada a ver. O Brasil é um país tão rico de ritmos, como o forró, axé, samba e qual o problema de unir o útil aoagradável? Nosso público só vem crescendo e as propostas de shows também”, acrescenta.

UNIVERSITÁRIO

Filhas de pastor, as irmãs capixabas Gislaine e Mylena (foto) resolveram montar uma dupla de gospel sertanejo há 13 anos, reunindo as duas coisas de que mais gostam: a música de raiz e a palavra de Deus. Lançando o quarto disco, elas garantem que não deixam de escutar artistas seculares (sem vínculos com religião) até para incorporar novos elementos ao trabalho. “Somos compositoras também e estudamos música. Então, é preciso conhecer de tudo um pouco, desde Cartola, passando pelo Zezé di Camargo e Luan Santana. Mas a principal inspiração é o nosso cotidiano, a natureza, as lutas diárias e, sobretudo, Deus. A temática é diferente desses artistas”, justifica Gislaine. 

A cantora acredita que o fato de o sertanejo estar em alta, especialmente o universitário, tem ajudado na divulgação e no surgimento de representantes desse gênero, independentemente de religião. No entanto, acha que a carreira que segue com a irmã Mylena começa a sobressair por ter algumas particularidades. “Além de o sertanejo viver um bom momento, somos uma dupla feminina e gospel. O Brasil está abraçando o nosso estilo e estamos tendo muito êxito em todos os lugares”, comemora.

Rock e axé católico 

Se no meio evangélico o gospel está cada vez mais forte, até pelo próprio crescimento desta religião no Brasil, entre os grupos e artistas católicos a prática vem de longa data. Considerada a primeira banda de axé da Igreja Católica, a mineira Dominus é uma das mais importantes do segmento no país. Já chegou a contar com a participação do padre Fábio de Melo e de Ivete Sangalo em seus discos. “Somos uma banda que há 23 anos atinge a juventude de maneira direta, pois segue um ritmo muito brasileiro, mais especificamente o axé. No começo houve estranhamento por parte da Igreja, mas depois viu-se que era muito bom e atraía o jovem. Na verdade, o preconceito maior é pelo fato de cantarmos música religiosa. Pelo axé não tem problema algum”, afirma o vocalista e um dos fundadores da Dominus, Léo Rabello.

Para o cantor, cada vez mais brotam artistas religiosos no Brasil e este tipo de música vem crescendo comercialmente, o que não deixa de ser uma maneira de disseminar a palavra de Deus entre a juventude. “Quem gosta de um estilo e pode ouvi-lo com mensagens religiosas acaba sendo cativado pela música e consequentemente a mensagem”, defende Rabello. 

Outro exemplo de sucesso entre os católicos, surgido na década de 1980, dentro do movimento de Renovação Carismática da Igreja Católica, é a banda paulista Rosa de Saron. Precursores do chamadowhite metal no Brasil ou metal cristão, o grupo de rock já chegou até a receber indicações ao Grammy Latino. E o mais interessante é que o estilo da Rosa de Saron acabou conquistando fãs também em todos os meios, religioso ou não, o que faz com que seja presença frequente em eventos como exposições agropecuárias e festivais. 




Fonte: Divirta-se UAI
------------------

Ator diz em igreja evangélica que estrelas pornôs também acreditam em Deus

O astro pornô Ron Jeremy foi a igreja Daybreak, em West Michigan, nos Estados Unidos, e falou com a comunidade. O ator, que já estrelou diversos filmes adultos, pregou para centenas de cristãos que astros como ele também acreditam em Deus. As informações são do Huffington Post.

"Muitas estrelas pornôs acreditam em Deus. Na verdade, a maioria vê. Eu não acho que é um problema ter o meu estilo de vida se você é honesto", afirmou Jeremy, que se descreve como "um judeu legal". Ele já estrelou mais de 2 mil produções.

"Não somos robôs", disse o ator. "Não brincamos e depois vamos para casa acreditar no ateísmo". Ele esteve ao lado do pastor Wes Dupin e do convidado Craig Gross, pastor e advogado que é anti-pornografia.


Fonte: Terra
---------

Namoro: 10 lições importantes

Eu sou pecador. Isso significa que muitas vezes estou errado e que preciso aprender muitas lições importantes. Se você é como eu, acho que vai apreciar esse texto, porque falo de coisas reais e que todo mundo precisa aprender uma hora ou outra. Portanto, esta  postagem é bem diferente do que costumo fazer, porque não se trata de um aprendizado direto da Bíblia, mas de um cristão que tem lutado para aprender verdades e princípios eternos e colocá-los em prática. Então, pensei que seria legal partilhar essas verdades com vocês. Espero que ajudem de alguma forma. Espero também que Jesus  use esse simples post para que pessoas vivam de maneira que agradem a Ele.

São 10 lições sobre namoro que aprendi. Vamos lá, então!

1. Valorizem a diferença

Nunca queira mudar a personalidade da outra pessoa. Você se apaixonou por ela do jeito que ela era. Por que você agora quer tanto mudá-la?

2. Incluam pessoas

Namorar não é sinônimo de sequestro. Namorar é adição. Você inclui mais uma pessoa na sua vida. Tudo bem, a vida muda, mas isso não significa que você deve abandonar seus amigos e família. Namoro bom inclui pessoas e não esquece de ninguém.

3. Comuniquem-se melhor

Saber se comunicar bem um com o outro é de extrema importância. Palavras importam. Então, vamos aprender a conversar, falar o que sente, dizer o que pensa de forma respeitosa e amorosa. Não imagine. Não deduza. Pergunte. Converse. Fale. E sejam guiados por Ef 4:29.

4. Tenham um dia de vocês

Se queremos crescer em romantismo, amizade e cumplicidade precisamos entender que necessitamos de tempo de qualidade. Uma boa idéia ( se a vida for muito corrida para os dois) é ter um dia ou um período do dia para ser apenas de vocês. Ninguém mais entra na agenda de vocês, exceto Jesus, claro.

5. Resolvam logo os seus conflitos

Nunca devemos dormir brigados. Não é uma regra, mas um princípio. Por isso devemos estar sempre dispostos para resolver nossas dificuldades, conflitos e brigas ( Mt 5:23; Ef 4:26,27). Mas precisamos também lembrar que não podemos forçar o tempo do outro. Porque quando você trata a questão de resolver problemas como regra, você acaba desrespeitando o outro.

6. Não tenham medo de magoar o outro

Talvez você achou estranho esse ponto, mas me permita explicar. As vezes os namorados ou namoradas têm a obrigação de ferir os sentimentos uns dos outros. Namorar é ferir os sentimentos muitas vezes para lapidar o cárater de Cristo. Obviamente, ferir não significa que você está machucando o outro com palavras desrespeitosas, maldosas e frias, mas que você está ferindo “o velho homem ou a velha mulher” da pessoa que você namora com palavras de confrontação amorosas, verdadeiras e respeitosas.

7.  Sejam mentoreados

Bom, na minha Igreja existem vários casais “casados” que servem aos casais de namorados. Eles cuidando, discipulam, treinam para o casamento, confrontam a gente, ensinam e, acima de tudo, nos mostram como um homem deve amar uma mulher e vice e versa. Cada casal deveria ser mentoreado por um casal casado. Vale muito a pena e evita muitos problemas!

8. Respeitem-se e coloquem limites

Respeito e limites são importantes. Nunca limite o respeito. Sempre respeite os limites.

9. Namorem para casar

Porque nós somos pecadores, porque ser puro é difícil, porque família é projeto de Deus, namorem para casar. Não para beijar, abraçar ou viver momentos legais. Se você leva a sério, tudo muda.

10. Priorizem o mais importante

Jesus sempre dever ser o centro. Essa é razão maior de um namoro. Namorar ou não é tudo para glória dEle.



Fonte:  Evangelho Urbano
---------------------

Empresa indenizará pastor que comprou CD gospel da Mara Maravilha com piadas picantes


Os desembargadores da 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, em decisão unânime, condenaram a NovoDisc Mídia Digital da Amazônia a pagar R$ 2 mil de indenização, por danos morais, ao pastor evangélico Vagner Neiva. Ele comprou um CD de música gospel para utilizá-lo em culto religioso, mas o que os fiéis escutaram foram piadas do humorista Ary Toledo.

Segundo os autos, o pastor que adquiriu o CD da cantora Mara Maravilha deixou para escutá-lo somente no momento do louvor na igreja. Quando determinou ao responsável pelo som que colocasse a música, o que ouviram foram piadas e histórias picantes, recheadas de palavrões, do comediante Ary Toledo.

A ação de rito sumário foi proposta pelo pastor Vagner contra a Record Produções e Gravações, a NovoDisc e a Bazar Gospel Água Viva.  Segundo a relatora da decisão, desembargadora Ana Maria Pereira de Oliveira, a  relação jurídica existente entre as partes é de consumo, com evidente falha na prestação do serviço. “Ressalte-se (...) que tendo sido constatado vício no produto e tendo identificado o fabricante, deve ser a condenação imposta somente à segunda Apelada (NovoDisc)”, explicou a magistrada.

Na decisão, a relatora manteve a devolução do valor de R$ 16,60 que o pastor pagou pelo CD da cantora Mara Maravilha, e determinou a reparação dos danos morais. Na inicial, o missionário havia pedido R$ 22 mil por esta indenização. Entretanto, a desembargadora fixou o montante em R$ 2 mil: “Este valor deve ser fixado com moderação condizente com a repercussão dos fatos em discussão”.  Segundo ela, ficou comprovado pelo depoimento de uma testemunha que o período de reprodução do CD de piadas foi curto e que não houve abalo na imagem do autor perante seus fiéis de sua Igreja. Ainda cabe recurso.

Processo nº 0015573-02.2007.8.19.0205



Fonte: Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
------------------------------------

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Deus se arrepende ou não?

Pergunta: Números 23:19 diz: “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa”, no entanto, Gênesis 6:6 afirma: “então, se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isto lhe pesou no coração.” Como entender essas duas passagens? Deus se arrepende ou não? 

Resposta: Normalmente, quando é que você se arrepende de ter feito alguma coisa? Quando você cometeu um erro, não é? É comum alguém dizer: "Fiz algo errado e me arrependo disso". E por que, normalmente, alguém se arrepende do erro cometido? Porque ele gera consequências desagradáveis. Assim, o arrependimento humano ocorre, na maioria das vezes, por causa de uma falha cometida (pecado) e que gera consequencias ruins das quais nos sentimos arrependidos. 

Também é comum ouvirmos pessoas dizendo: "Não me arrependo de ter feito tal coisa, mas não gostaria de ter que passar pelas consequencias que ela gerou". Essa situação é pior ainda, pois a pessoa não reconheceu que errou e nem se sente triste por ter cometido o erro, apenas lamenta ter que passar pelas consequencias do seu pecado. 

O arrependimento de Deus é diferente do arrependimento humano. 

DEUS NUNCA ERRA! Se Ele não erra, então não pode Se arrepender, como nós humanos, por algum erro que tenha cometido. Vejamos então cuidadosamente como a Bíblia utiliza a palavra arrependimento referindo-se a Deus. 

Em Números 23:19-20 lemos: "Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo falado, não o cumprirá? Eis que para abençoar recebi ordem; ele abençoou, não o posso revogar". Essas palavras foram proferidas por Balaão e registradas por Moisés. Notem que o verso está dizendo que Deus havia abençoado o povo de Israel e que Ele não iria mudar de idéia. Nada nem ninguém poderiam fazer Deus mudar Seu plano de abençoar o povo. Nesse sentido, Deus não Se arrepende. Ele não muda Sua Palavra. Por mais que os inimigos do povo de Deus tenham tentado através de subornos e artimanhas não conseguiram fazer Deus mudar de idéia. Quando Deus abençoa, Ele não muda. Pode acontecer do homem mudar e colocar-se numa posição que o impeça de receber as bênçãos de Deus, mas Deus não muda Seu propósito de abençoar a humanidade porque Ele nos ama e não muda. 
Note que Moisés não está comparando Deus com os homens. Aqui está a chave! DEUS NÃO É HOMEM PARA QUE SE ARREPENDA COMO UM HOMEM. Deus não tem nenhum erro do qual se arrepender. 

Ao lermos passagens bíblicas que nos informam que Deus Se arrependeu precisamos levar em conta que o arrependimento divino é totalmente diferente do humano. Quando a Bíblia fala do arrependimento humano usa as seguintes palavras no original: Shubh (hebraico) e metanoéo (grego). Seus significados: mudança de mente (não somente a tristeza pelo pecado), voltar atrás, retornar ao caminho correto. Quando a Bíblia fala acerca do arrependimento divino usa estas: Naham (hebraico) e Metamélomai (grego). Significados: dor, tristeza, pesar, etc. 

O arrependimento divino não traz mudança em Seu Ser, mas no Seu modo de tratar o homem. O arrependimento de Deus mencionado na Bíblia pode ter o sentido de mudar de idéia ou estar triste. Em diversas circunstâncias, quando o povo mudou de atitude e de procedimento abandonando seus pecados, Deus mudou de idéia, isso é, revogou a sentença outrora proferida. Veja algumas passagens bíblicas que ilustram esse ponto: 
"Então o Senhor se arrependeu do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo." - Êxodo 32:14. 

"Ora, quando o anjo estendeu a mão sobre Jerusalém, para a destruir, o Senhor se arrependeu daquele mal; e disse ao anjo que fazia a destruição entre o povo: Basta; retira agora a tua mão. E o anjo do Senhor estava junto à eira de Araúna, o jebuseu." - 2 Samuel 24:16. 

"Mataram-no, porventura, Ezequias, rei de Judá, e todo o Judá? Antes não temeu este ao Senhor, e não implorou o favor do Senhor? e não se arrependeu o Senhor do mal que falara contra eles? Mas nós estamos fazendo um grande mal contra as nossas almas." - Jeremias 26:19. 

"Então o Senhor se arrependeu disso. Não acontecerá, disse o Senhor." Também disso se arrependeu o Senhor. Nem isso acontecerá, disse o Senhor Deus." - Amós 7:3,6.
"Viu Deus o que fizeram, como se converteram do seu mau caminho, e Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria, e não o fez." - Jonas 3:10. 

“E orou [Jonas] ao SENHOR e disse: Ah! SENHOR! Não foi isso o que eu disse, estando ainda na minha terra? Por isso, me adiantei, fugindo para Társis, pois sabia que és Deus clemente, e misericordioso, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e que te arrependes do mal.” (Jonas 4:2 ). 

No caso de Nínive, Deus Se arrependeu e não os destruiu como disse que faria. Nesse caso, o arrependimento de Deus significa que Ele ficou muito contente pelo fato dos cidadãos de Nínive, ou pelo menos alguns deles, terem se convertido de seus maus caminhos e voltado para Ele! As passagens acima apresentam o arrependimento de Deus como uma mudança no modo dEle tratar com os seres humanos, fruto da mudança do homem em relação a Ele e Seus propósitos. 

Outros versos bíblicos falam que Deus Se arrependeu no sentido dEle ter ficado triste com o que os homens fizeram com a liberdade que lhes foi concedida. Vejamos duas dessas passagens: 

"Viu o Senhor que era grande a maldade do homem na terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração E disse o Senhor: Destruirei da face da terra o homem que criei, tanto o homem como o animal, os répteis e as aves do céu; porque me arrependo de os haver feito." - Gênesis 6:5-7. 

"Ora, Samuel nunca mais viu a Saul até o dia da sua morte, mas Samuel teve dó de Saul. E o Senhor se arrependeu de haver posto a Saul rei sobre Israel." - 1 Samuel 15:35. 

Quando Gênesis 6:6 diz que Deus Se arrependeu de haver feito o homem está afirmando que o Senhor sentiu profunda dor por ter de executar juízo contra o homem. DEUS é AMOR! Ele quer que os ímpios se convertam dos seus maus caminhos e vivam eternamente com Ele (Ezequiel 18). Assim, quando Deus percebeu até que ponto a maldade humana havia crescido nos dias de Noé, ficou triste. Ele já havia tentado de tudo para chamar aquele povo ímpio de volta para os Seus caminhos. Agora, nada mais daria resultado. Não havia mais remédio. Deus viu que todos os habitantes da Terra, exceto a família de Noé, precisariam ser destruídos, condenados à morte eterna. Isso trouxe profunda tristeza a Deus. 

Deus se arrependeu de ter criado o homem no geral? NÃO! Deus ficou triste pelo fato daquela geração O haver rejeitado completamente a ponto de terem de ser destruídos. Deus ficou triste por ter de punir a maldade humana, que havia alcançado proporções enormes. 

Esse é o arrependimento de DEUS apresentado na Bíblia. Ele nunca erra, mas se alguma de Suas criaturas erra insistentemente a ponto de se perder eternamente, Deus, que não tem prazer na morte de ninguém, fica triste pelas consequências que essa criatura terá que sofrer. A esse sentimento de dor e perda a Bíblia chama de arrependimento ou pesar de Deus. 



Fonte: Bíblia Online
---------------

Cristãos palestinos sofrem e perseveram por amor à fé

O cristianismo é uma realidade cada vez mais residual no território em que Jesus nasceu e viveu. Hoje os cristãos representam pouco mais de 1% da população israelita e palestina.

“Nunca me esquecerei de suas orações por mim e pela minha família. Eu pude senti-las, e elas tocaram meu coração de maneira poderosa. Elas me encheram de força e capacidade para suportar aquele terrível acontecimento. Suas orações por mim são como uma bengala que me ajuda a andar e a manter o equilíbrio aonde quer que eu vá”.

As palavras acima foram ditas por Pauline Ayyad, esposa de Rami Khader Ayyad, ex-diretor da única livraria cristã da Faixa de Gaza (Palestina), sequestrado e assassinado em 2007, após sofrer uma série de ameaças de radicais islâmicos. Um grupo ligado à Al Qaeda, que atuava em Gaza, assumiu a responsabilidade por lançar bombas na livraria e também por matar Rami. O casal Ayyad tinha dois filhos; quando Rami foi morto, Pauline estava grávida de 5 meses de uma menina. Hoje Pauline e seus três filhos passam bem, mas sofreram muito e ainda sofrem com a perda de Rami.

A realidade dos cristãos palestinos é muito dura, principalmente para aqueles que vivem na Faixa de Gaza, região governada pelo partido islâmico Hamas. Os cristãos de Gaza sofrem com diversos problemas psicológicos devido à pressão feita pelas forças do governo, além disso, sofrem com o desemprego, com o isolamento da sociedade, com um sentimento latente de insegurança, etc. Muitos, inclusive crianças, estão traumatizados pelas crueldades que aconteceram e ainda acontecem em Gaza. 

Em outras áreas da Palestina*, como em Belém, a população cristã diminuiu drasticamente nos últimos 20 anos, de 60 para apenas 10%. Na Cisjordânia, há situações de discriminação e danos de propriedades cristãs. Isso ocorre devido aos constantes ataques e pressões que a comunidade cristã sofre por parte das autoridades locais e do fanatismo religioso. Mesmo assim é possível notar a presença de cristãos, por exemplo, em Belém, Ramallah, Nablus e outros locais. Em Nablus, no norte da Cisjordânia, restam hoje, aproximadamente, 500 cristãos – há 40 anos eles eram 3.000.

Mesmos sem grande peso político ou econômico, os cristãos asseguram que a sua presença na Palestina nunca irá desaparecer. “Somos poucos, somos pequenos, mas estamos aqui e permaneceremos”, afirma um cristão palestino. 

O Auxílio da Portas Abertas

A Portas Abertas tem atuado em diversos países ao redor do mundo para socorrer cristãos em situações de vulnerabilidade, discriminação e perseguição religiosa. Nos últimos anos a Portas Abertas tem atuado em parceria com a Sociedade Bíblica Palestina para dar assistência às famílias que, por causa dos conflitos entre israelenses e palestinos, perderam o contato com seus entes queridos e vivem em situação de pobreza extrema. 

“Com a ajuda da Portas Abertas Internacional, pudemos socorrer muitas famílias necessitadas e devolver o sorriso aos rostos das pessoas marginalizadas”, disse um membro da Sociedade Bíblica da Palestina. 

Nesses projetos, dezenas de famílias foram ajudadas com cestas básicas, remédios e materiais hospitalares.

A Portas Abertas também atua, na Palestina, através do Musalaha, um ministério de reconciliação entre jovens israelenses e palestinos. Organizando reuniões esporádicas, seminários e conferências, o Musalaha procura unir, através do amor de Cristo, jovens que foram separados pelo ódio e segregação.

Que possamos orar pela paz em Israel/Palestina, e para que muçulmanos e judeus se rendam ao incomparável amor de Cristo Jesus.

*Historicamente o termo Palestina abrange todo o território que hoje está dividido entre o Estado de Israel e as áreas habitadas por árabes palestinos, "Faixa de Gaza e Cisjordania", respectivamente sob o governo do Hamas e da Autoridade Nacional Palestina.



Fonte: Portas Abertas
-----------------